Polónia preparada para acolher "grande número" de refugiados ucranianos

Estamos preparados para dezenas de milhares, centenas de milhares, milhões de pessoas que chegarão", disse o primeiro-ministro polaco.

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, disse este domingo que a Polónia está pronta para acolher "um grande número" de refugiados ucranianos em fuga da guerra.

"Daremos as boas vindas a quem necessitar. Vemos o medo crescer na sociedade ucraniana. Estamos preparados para dezenas de milhares, centenas de milhares, milhões de pessoas que chegarão", disse Morawicki numa entrevista ao diário francês Ouest-France.

O líder polaco disse que o país tem vindo a preparar-se "há semanas" para uma crise migratória, uma vez que a sua análise da situação previa uma estratégia para "enfraquecer a parte norte" da fronteira da Polónia com a Bielorrússia.

"Este ataque na nossa fronteira não resultou, mas atacar com migrantes é diferente de atacar com tanques e mísseis. Agora os ucranianos encontram-se numa situação muito difícil. Mais de 100 mil pessoas atravessaram a nossa fronteira desde que a invasão começou", explicou o Presidente polaco.

Tendo em conta o êxodo de pessoas da Ucrânia devido ao conflito armado, a Polónia preparou centros de receção para os milhares de ucranianos que se espera que cheguem ao país.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocaram pelo menos 198 mortos, incluindo civis, e mais de 1100 feridos, em território ucraniano, segundo Kiev. A ONU deu conta de 150 mil deslocados para a Polónia, Hungria, Moldávia e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), UE e Conselho de Segurança da ONU, tendo sido aprovadas sanções em massa contra a Rússia.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de