Ucrânia reexamina casos que implicam empresa em que trabalhou filho de Joe Biden

O objetivo da revisão é determinar se esses casos foram arquivados de forma legal, anunciaram as autoridades ucranianas.

A procuradoria ucraniana anunciou que está a reexaminar os casos que implicam o grupo de gás Burisma, no qual o filho do ex-vice-Presidente norte-americano Joe Biden trabalhou entre 2014 e 2019.

"Estamos a fazer uma auditoria aos casos (...) em que Mykola Zlochevsky (ex-líder do Burisma), Sergei Kourtchenko (empresário ucraniano) e outras pessoas podem estar envolvidos", disse o procurador-geral Rouslan Riabochapka aos jornalistas.

Segundo o procurador-geral, esses casos anteriormente considerados, mas arquivados pela justiça, são de "cerca de 15", mas não parecem estar relacionados com o filho de Joe Biden, Hunter, que entrou em 2014 no conselho do Burisma.

"Pelo que vemos, trata-se mais das atividades de Zlochevsky e Kourtchenko do que da Burisma e de Biden", disse.

"O trabalho continua e apresentaremos os resultados posteriormente", declarou.

O objetivo da revisão é determinar se esses casos foram arquivados de forma legal, disse o procurador-geral, assegurando que a decisão de reexaminar os casos não foi tomada devido a qualquer pressão política.

"Nenhum político estrangeiro ou ucraniano me telefonou ou tentou influenciar as minhas decisões", insistiu Riabochapka.

O Presidente dos Estados Unidos é acusado de pressionar o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, a iniciar uma investigação sobre o filho do seu potencial oponente democrata nas eleições presidenciais de 2020, Joe Biden.

Os democratas americanos desencadearam uma investigação após estas acusações contra o bilionário republicano, tendo em vista um processo de destituição ('impeachment') de Trump.

Advogado e investidor, Hunter Biden atuou de 2014 a 2019 no conselho de supervisão da produtora de gás ucraniana Burisma, cofundada pelo oligarca pró-russo Mykola Zlochevsky.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de