"Uma trégua que pode trazer paz." OMS diz que Europa está perto de controlar pandemia

A Organização Mundial da Saúde alerta, no entanto, para a importância de "consolidar e preservar a imunidade mantendo a vacinação e os reforços".

Graças às elevadas taxas de vacinação, à menor agressividade da Ómicron e ao fim do inverno, dois anos depois do início da pandemia de Covid-19, a Europa pode entrar, em breve, "num longo período de tranquilidade", afirmou esta quinta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS).

"Este contexto, que não tínhamos tido ainda nesta pandemia, dá-nos a possibilidade de conseguir um longo período de tranquilidade e um nível muito superior de defesa das populações contra qualquer novo aumento da transmissão, mesmo com uma variante mais virulenta [do coronavírus SARS-CoV-2]]", afirmou o diretor da OMS Europa, Hans Kluge, numa conferência de imprensa virtual. "Uma trégua que pode trazer uma paz duradoura", completou.

Kluge defendeu que é preciso "consolidar e preservar a imunidade mantendo a vacinação e os reforços", garantir a proteção dos mais vulneráveis, promover a responsabilidade individual e aumentar a vigilância para detetar novas variantes.

"Acredito que será possível responder a novas variantes que surgirão inevitavelmente sem voltar a recorrer às medidas destrutivas de que precisámos antes", declarou.

A região da OMS Europa inclui 53 países, alguns deles na Ásia central. Em todos, os contágios por Covid-19 dispararam devido à variante Ómicron.

De acordo com os números da OMS, na semana passada, a região registou quase 12 milhões de novos casos, o número mais elevado desde o início da pandemia.

Quase um terço de todos os casos de contágio desde que o SARS-CoV-2 apareceu foram diagnosticados este ano, acrescentou, e apesar de terem aumentado as hospitalizações, os casos em unidades de cuidados intensivos "não aumentaram significativamente e no número de mortes na região começa a atingir um planalto".

Vários países europeus, como a Dinamarca, a França e o Reino Unido já reduziram as restrições.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de