Úrsula Von der Leyen quer "transição climática irreversível"

A União Europeia vai criar um plano que chegará a um trilião de euros nos próximos 10 anos para "dotar de uma perspetiva climática todos os setores económicos".

A presidente da Comissão Europeia, Úrsula Von der Leyen, anunciou esta segunda-feira em Madrid, durante a cimeira do clima COP25, que em março apresentará uma lei europeia para tornar a transição climática irreversível na União Europeia (UE).

"Em março, proporemos a primeira lei climática europeia para tornar a transição climática irreversível, o que supõe dotar de uma perspetiva climática todos os setores económicos", disse Von der Leyen, acrescentando que a medida implica uma energia limpa e acessível, o desenvolvimento da economia circular e desenhar uma estratégia de biodiversidade.

Von der Leyen, que no domingo tomou posse do cargo, o que torna a COP25 a sua primeira cimeira internacional, referiu-se também numa mesa redonda de líderes mundiais sobre o clima ao plano de investimentos necessários para por em marcha uma ação climática sustentada na investigação, a inovação e as novas tecnologias.

Este plano terá um montante global de verbas que chegará a um trilião de euros nos próximos 10 anos, segundo a presidente da comissão, que disse, inclusive, que deveria aplicar-se, se necessário, uma taxa de carbono ao comércio internacional.

"Alguns falam-me do custo. Apenas temos de recordar qual seria o custo se não fizéssemos nada", alertou Von der Leyen, perante os restantes líderes mundiais presentes na COP25 que hoje se iniciou em Madrid.

Além do mais -- sublinhou -- "este processo deve incluir todos porque, senão, não funcionaria".

Introduziu assim o Fundo de Transição proposto pela Comissão Europeia para não deixar para trás "aqueles que têm de dar os passos maiores" neste processo.

O dinheiro deste fundo, precisou a presidente da Comissão Europeia, deve incluir fundos "privados e públicos", com financiamento do Banco Europeu de Investimento (BEI), que recentemente "se autodefiniu como o banco do câmbio climático".

"Em contas resumidas: os europeus estão preparados. Se avançarmos juntos, iremos mais rápido e isso é do interesse de todos", afirmou Von der Leyen, acrescentando que o objetivo desta COP25 tem de ser transformar o "Acordo Verde Europeu" num "Acordo Verde global".

A cimeira das Nações Unidas sobre o clima (COP25) começou hoje em Madrid, com a presença de 50 líderes mundiais, incluindo o primeiro-ministro português, António Costa.

Durante a 25.ª Conferência das Partes (COP25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, que se prolonga até 13 de dezembro, são esperadas delegações de 196 países, assim como os mais altos representantes da União Europeia e várias instituições internacionais, o que pressupõe "a totalidade dos países do mundo", de acordo com um comunicado do Governo espanhol.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados