Vistos mais difíceis. Facilitação para russos "tornou-se um risco para a segurança"

"Não queremos isolar-nos daqueles russos que são contra a guerra na Ucrânia", afirma Borrell.

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell afirmou esta quarta-feira que "o crescente número de entradas" de cidadãos russos em solo europeu, que se regista desde "meados de julho", representa um "risco para a segurança", em particular para os países mais próximos.

Apresentando alguns argumentos que estiveram na base da decisão política de suspensão do acordo de facilitação de vistos a cidadãos russos, Borrell afirmou que depois do início da guerra na Ucrânia, a União Europeia "não podia continuar como se nada fosse".

"Temos assistido a inúmeros russos a viajar por lazer e para fazer compras, como se não houvesse uma guerra na Ucrânia", afirmou, considerando que tais circunstâncias levaram a que fosse decidida "a suspensão total" do acordo entre a União Europeia e a Rússia para a facilitação de vistos.

"Isto irá reduzir significativamente o número de vistos emitidos pelos Estados-Membros da União Europeia. O processo será mais difícil e mais demorado", afirmou.

A consequência "será um número de novos vistos substancialmente reduzido". Mas, não significará a proibição total da entrada de cidadãos russos no espaço europeu, como defendiam alguns governos.

"Não queremos isolar-nos daqueles russos que são contra a guerra na Ucrânia [e] não queremos isolar-nos da sociedade civil russa", afirmou Josep Borrell, no final da reunião em Praga, República Checa, em que os ministros dos Negócios Estrangeiros adotaram a decisão por maioria qualificada.

Porém, a emissão de vistos em circunstâncias especiais ficará dependente de uma "análise detalhada, numa base individual". Os 27 decidiram ainda que não reconheceriam a validade dos passaportes russos entregues aos cidadãos ucranianos nas regiões separatistas sob controlo de Moscovo.

Na manhã desta quarta-feira, a falar à entrada para o encontro, Josep Borrell reconhecia a existência de "posições diferentes entre os diferentes Estados-Membros", sobre o tema "importante", mas prometia "trabalhar pela unidade [da UE], por uma posição comum e unificada".

"Não podemos permitir uma posição desunida numa coisa tão importante como são as relações de pessoas com pessoas: entre a sociedade russa e a sociedade europeia", vincou.

O acordo para a facilitação de vistos com a Federação Russa estava em vigor desde 1 de julho de 2007, mas encontrava-se suspenso desde 28 de fevereiro de 2022, de acordo com a decisão do conselho adotada na sequência da invasão da Ucrânia pela Rússia.

A União Europeia dispõe ainda de acordos de facilitação de vistos, desde 2014, com Cabo Verde, Arménia e Azerbaijão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de