Xi Jinping insiste que China deve manter tolerância zero à Covid-19

Apesar dos crescentes custos económicos e sociais, o Presidente chinês refere que "o trabalho de prevenção e controlo não pode ser relaxado".

O Presidente chinês, Xi Jinping, disse esta quinta-feira que a China deve manter a política de tolerância zero à Covid-19, sinalizando a manutenção das rígidas medidas antipandemia no país, apesar dos crescentes custos económicos e sociais.

Entre as regiões afetadas nas últimas semanas por medidas de confinamento estão Xangai, a "capital" financeira do país, o centro tecnológico de Shenzhen e os importantes centros industriais de Changchun e Jilin.

Isto numa altura em que a maior parte do mundo elimina restrições, passando a coexistir com a doença.

"Devemos persistir e colocar as pessoas acima de tudo, as vidas acima de tudo (...) Devemos aderir à precisão científica", disse Xi Jinping, durante uma visita à ilha de Hainan, no extremo sul do país, segundo a imprensa estatal.

"A atual pandemia global ainda é muito grave e não podemos relaxar o trabalho de prevenção e controlo. Só com persistência sairemos vencedores", afirmou.

O coronavírus surgiu pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan, no final de 2019. O bloqueio de Wuhan limitou significativamente a propagação do vírus no país.

Até aos surtos recentes, a China conseguiu praticamente extinguir a doença dentro das suas fronteiras. Desde o segundo trimestre de 2020 e até há alguns meses, enquanto várias partes do mundo enfrentavam medidas de confinamento, a vida decorria com normalidade no país asiático.

A estratégia chinesa é fonte de intenso orgulho para o Partido Comunista Chinês (PCC) e foi apontada por Xi como prova de "superioridade" do sistema político autoritário chinês, face à democracia de estilo Ocidental.

Mas os novos surtos, provocados pela altamente contagiosa variante Ómicron, rapidamente se espalharam por várias províncias e cidades do país.

As autoridades de Xangai anunciaram hoje que mais de 27.000 casos foram detetados nas últimas 24 horas, um número recorde no país.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de