Zelensky acusa Rússia de cometer genocídio

"Nós temos mais de 100 nacionalidades. Trata-se de destruir e exterminar todas essas nacionalidades", acusa o Presidente ucraniano.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, acusou este domingo o seu homólogo russo de cometer "um genocídio" com a invasão da Ucrânia.

"Sim, é um genocídio. A eliminação de toda a nação. Nós temos mais de 100 nacionalidades. Trata-se de destruir e exterminar todas essas nacionalidades", afirmou Zelensky, em declarações ao canal americano CBS.

A Ucrânia já tinha acusado a Rússia de cometer um "massacre deliberado" em Bucha, uma cidade no noroeste de Kiev, e outros "horrores" nas regiões que, entretanto, foram libertadas.

"Isto está a acontecer na Europa e no século XXI", reiterou, sublinhando que "toda a nação está a ser torturada".

O governante apelou à retirada das tropas russas do território ucraniano e à negociação entre as duas partes.

"Não posso ter sequer uma reunião enquanto a Rússia prossegue com os bombardeamentos. Quando decidirem um cessar-fogo, podemos encontrar-nos com o Presidente Russo", Vladimir Putin, referiu.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.325 civis, incluindo 120 crianças, e feriu 2.017, entre os quais 168 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4,1 milhões de refugiados em países vizinhos e cerca de 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE O CONFLITO ENTRE A RÚSSIA E A UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de