Zelensky estima que Rússia já disparou mais de 2000 mísseis durante a guerra

O Presidente ucraniano manifestou a intenção de recuperar o controlo sobre as cidades do sul de Kherson, Melitopol, Berdyansk, Enerhodar e Mariupol.

As forças russas já dispararam mais de 2000 mísseis desde o início da invasão da Ucrânia, a maioria contra infraestruturas civis e sem benefício militar estratégico, referiu esta quarta-feira o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Para o chefe de Estado ucraniano, os 2000 mísseis já disparados pela Rússia são uma grande parte do seu arsenal militar.

Esta quarta-feira, os mísseis russos atingiram as cidades de Mikolaiv e Dnipro, no sul da Ucrânia, salientou Zelensky no seu discurso noturno por vídeo.

Volodymyr Zelensky abordou também as alegações da Rússia de que terá implementado uma nova geração de armas a laser na Ucrânia, referindo que esta estratégia reflete o desejo de Moscovo em encontrar uma alternativa para os mísseis.

Um alto funcionário da Defesa dos Estados Unidos referiu esta quarta-feira que Washington não tem informações que corroborem as alegações da Rússia de que usou armas a laser na Ucrânia.

O Presidente ucraniano manifestou ainda a intenção de recuperar o controlo sobre as cidades do sul de Kherson, Melitopol, Berdyansk, Enerhodar e Mariupol, agora ocupadas pelas forças russas.

"Todas as nossas cidades e comunidades sob ocupação, sob ocupação temporária, devem saber que a Ucrânia as vai recuperar", assegurou Zelensky.

A guerra na Ucrânia, que hoje entrou no 85.º dia, causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas -- cerca de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,3 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa - justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU confirmou hoje que 3.778 civis morreram e 4.186 ficaram feridos, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de