Zelensky saúda retirada de 264 militares da fábrica de Azovstal em Mariupol

O Presidente ucraniano adianta que entre os militares há feridos graves, "que estão a receber ajuda médica".

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, saudou a retirada de 264 militares da fábrica Azovstal na cidade de Mariupol na segunda-feira à noite, na sequência do cessar-fogo acordado com Moscovo.

A retirada foi possível "graças às ações dos militares ucranianos, das Forças Armadas da Ucrânia, dos serviços de informação, da equipa de negociação, do Comité Internacional da Cruz Vermelha e das Nações Unidas (...). Entre eles estão feridos graves, que estão a receber ajuda médica", sublinhou.

Zelensky salientou que "a Ucrânia precisa de heróis ucranianos vivos". "Este é o nosso principal objetivo", acrescentou, explicando que o trabalho prosseguia "para os fazer regressar a casa, um trabalho que requer delicadeza e tempo".

O Presidente ucraniano participou numa reunião, na segunda-feira, com a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, "sobre como acelerar a prestação de assistência financeira à Ucrânia, dado o défice orçamental do Estado durante a guerra", de acordo com um comunicado da presidência.

Zelensky explicou também, no habitual discurso noturno, que as autoridades ucranianas estão a trabalhar para acelerar a integração da Ucrânia na UE e para que as sanções contra a Rússia sejam alargadas.

A guerra na Ucrânia, que hoje entrou no 82.º dia, causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas -- cerca de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,1 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também as Nações Unidas disseram que cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa - justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU indicou na segunda-feira que 3.668 civis morreram e 3.896 ficaram feridos, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de