A quarta oportunidade perdida para um partido ecologista português

Daniel Oliveira defende que não existe nenhum partido ecologista em Portugal e considera que o PAN, que obteve um resultado inédito nas eleições europeias, foi a quarta oportunidade perdida de criar um partido com essas características.

No espaço de opinião que ocupa na TSF, Daniel Oliveira sublinhou que "o PAN é um partido animalista, nunca foi um partido ecologista" e explicou que o mesmo foi criado em 2009, por "vegans e budistas new age", com o nome "Partido dos Animais" e não "Pessoas Animais e Natureza", como é hoje.

O comentador descreve o PAN como "um partido com uma agenda radical, poucas vezes explicitada em público" e com "poucas relações com o movimento ecologista europeu".

De acordo com o cronista, o PAN "pretende impor, pela via política, modos de vida e hábitos pessoais, indo até aos domínios mais íntimos, como a dieta de cada um".

"Arranjou um deputado apresentável e esconde os restantes dirigentes. É o único partido português que faz os seus congressos totalmente à porta fechada. Nem o PCP", acrescenta.

Daniel Oliveira pinta o PAN como "um partido urbano em conflito violento com modos de vida rurais, avesso à conciliação e ao equilíbrio e com relações próximas com grupos de ação direta", que "não é de esquerda nem de direita, desconfia do Serviço Nacional de Saúde e da medicina moderna e recusa, em diversos domínios, o discurso científico", tratando-se, portanto, de "um movimento mais filosófico e religioso do que político".

O jornalista lembra que o PAN se prepara "para ter um papel importante nos equilíbrios políticos, podendo dar ao PS, em troca de quase nada, a maioria absoluta que lhe permitiria guinar de novo à direita" e que, por isso, deve ser "escrutinado".

"Sugiro que comecem pelo seu programa, por propostas como pôr as mulheres a usarem copos menstruais em vez de pensos higiénicos ou de propostas municipais que apresentou que apresentou que levariam a retirar os cães às pessoas sem-abrigo. Os jornalistas que falem com outros dirigentes para além de André Silva, que exijam assistir aos seus congressos. Quem quer ser grande tem de se mostrar", remata.

Antes destas declarações sobre o PAN, Daniel Oliveira sublinhou que o PEV, o MPT e o Bloco de Esquerda foram também eles oportunidades perdidas de criar um partido com uma agenda verdadeiramente ecologista.

Texto de Sara Beatriz Monteiro

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de