Como tudo em Portugal virou uma guerra entre fascistas e marxistas

A mesa onde agora me sento para almoçar com os meus colegas de trabalho é a mesma onde, nos últimos anos, passámos horas a fio a discutir e a tomar decisões. E o almoço, esse, não dispensa os cuidados do senhor Manuel e da dona Lina, gente boa que aos 63 anos trata os clientes do 'take-away' como se estivessem sentados à mesa do seu restaurante.

Foi durante um destes almoços, dignos de filme de época, que, em conversa de deitar fora, se comentava como as discussões políticas em Portugal já não são apenas entre esquerda e direita, mas transformaram-se, quase todas, numa guerra de "fascistas" e "marxistas". Como se nenhum moderado ou democrata tivesse cabimento lá no meio.

Para não puxar ainda mais o filme atrás, atentem apenas às duas últimas duas semanas.

Rui Tavares e a telescola. Uma mentira repetida muitas vezes não só não se torna verdadeira, como não passa a ser catalogada como uma notícia falsa. Uma mentira é isso mesmo: uma mentira. Esta semana, alguns partidos de extrema-direita, secundados por um eurodeputado do CDS e, depois, pelo próprio CDS, decidiram espalhar pelas redes sociais que Rui Tavares - professor, historiador e fundador do Livre - estava a dar aulas de história na telescola. Ainda que fosse verdade, não só não seria um crime de lesa-pátria, como os alunos estariam muito bem entregues. Acontece que não é verdade. Rui Tavares aparece num vídeo, retirado de um programa que fez para a RTP, a falar do Portugal governado por Salazar. Não aparece a fazer um comício, aparece a dar factos históricos.

Mas isso - os factos - nunca impediram os que vivem numa cegueira ideológica, cheios de esqueletos no armário e de contas para ajustar, de atirarem lama.

Seria menos grave se esta polémica de algibeira tivesse ficado circunscrita à bolha das redes sociais. Mas não. O CDS decidiu acelerar ainda mais a ventoinha - com perguntas ao Governo -, continuando o seu haraquiri partidário.

O 1.º de Maio. A cegueira ideológica da direita, lamentavelmente, tem paralelo na esquerda. Com o país em estado de emergência e os portugueses fechados em casa há quase três meses, a CGTP decidiu transportar em autocarros mil sindicalistas, vindos de concelhos de onde não podiam legalmente sair, e posicioná-los, de três em três metros, para as objetivas das câmaras fotográficas e de televisão.

Quem se atreveu a criticar - legitimamente - foi imediatamente catalogado de fascista, capitalista e de outras coisas acabadas em "ista" que não adianta agora aqui referir.

Entrevista à Ministra da Saúde. É, porventura, o exemplo acabado deste baixo nível a que a discussão política em Portugal desce tantas vezes. A entrevista que a ministra da Saúde deu à SIC, conduzida pelo Rodrigo Guedes de Carvalho, foi alvo dos comentários mais idiotas nas redes sociais.

A equação é fácil e, sobretudo, básica: se o jornalista fez perguntas difíceis, se não "largou" enquanto não encontrou resposta para essas perguntas - como tem de ser -, só pode ser de direita. Claro que se o Governo fosse do PSD, o mesmo jornalista, fazendo o mesmo trabalho, só podia ser de esquerda.

Com a devida distância social, sentados à mesa do almoço, recordava-me o Pedro - que é mais do que um parceiro de almoço - que esta "carne viva" que vivemos hoje, capaz de nos catalogar a todos entre "fascistas" e "marxistas", começou no período da troika e renasceu agora nesta nova crise que estamos a viver. Entre os incendiários ressabiados e reincidentes, que andam permanentemente a tentar transformar o espaço público numa espécie de PREC, e os pobres de espírito, que encontram num post de Facebook o palco que nunca alcançaram por mérito próprio, é a democracia que sai mais frágil.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de