Covid nas prisões: organizem-se!

Daniel Oliveira considera que o caso das prisões é, "depois dos lares, talvez a situação mais preocupante a que assistimos" no decorrer da pandemia de Covid-19 em Portugal.

Há 435 pessoas infetadas nas prisões portuguesas, das quais cerca de 350 são reclusos, segundo os números apresentados esta segunda-feira pela ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, à saída uma audiência com o Presidente da República onde também esteve a ministra da Saúde, Marta Temido.

Daniel Oliveira lembra que os reclusos "estão estão longe dos olhos de nós, portanto nós não sabemos o que lhes pode estar a acontecer." Além disso, "estão, coisa que não é um pormenor, à guarda do Estado".

Isto depois de o sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional ter denunciado, na semana passada, que a população prisional não usava máscara, que havia guardas a ser ameaçados por diretores para não usarem máscaras porque poderia assustar os detidos, e que as reclusas de Tires receberam máscaras descartáveis para usar durante três dias.

O mesmo sindicato afirma que a falta de máscaras nas prisões tem origem numa questão financeira, apesar de a Direção-Geral da Saúde recomendar o uso de máscaras em espaços fechados e onde coabitam múltiplas pessoas.

Já a direção dos serviços prisionais considera que os Estabelecimentos Prisionais não se encaixam na recomendação das autoridades de saúde e defende que as máscaras eram "provavelmente eram inúteis porque os presos eram muito dados a confraternização e contacto mais físico".

A alternativa apresentada foi criar "uma bolha protetora", o que, na opinião de Daniel Oliveira, "parece não estar a resultar", e seguir os critérios da Organização Mundial de Saúde de só usar máscara em espaços públicos onde a transmissão na comunidade possa acontecer.

O diretor dos Serviços Prisionais olha para a prisão "como fosse uma das nossas casas, quando no mínimo é uma casa sobrelotada", condena.

Para o jornalista, é lamentável que, no final de novembro, nem a Direção-Geral da Saúde e a Direção-Geral dos Serviços Prisionais, nem o Ministério da Saúde e o Ministério da Justiça, ainda não se tenham entendido sobre a melhor forma de lidar com a Covid-19 nas prisões.

"O Presidente da República teve de fazer as vezes do primeiro-ministro chamando as duas ministras para elas conversarem uma com a outra e desautorizou António Costa" ao fazê-lo, considera Daniel Oliveira. "Neste caso com toda a razão", depois do "espetáculo público" gerado pela falta de consensos.

Texto: Carolina Rico

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de