És grande, David Carreira

David Carreira mentiu para promover uma canção, mas são os órgãos de comunicação social que acreditaram na informação e a divulgaram que estão a ser alvo das maiores críticas.

Daniel Oliveira sai em defesa da classe na TSF. "Não podemos esperar que os jornalistas estejam preparados para que os representantes de um artista inventem a sua própria prisão."

Esta história, prova que "a crise de credibilidade da comunicação social, da política, da ciência e de tudo não tem apenas origem nos próprios - é uma crise da verdade."

A agente de David Carreira disse esta terça-feira aos jornalistas que o cantor tinha sido detido nos EUA. Em causa estariam "problemas com autorizações para gravar" um videoclipe, disse Joana Sousa.

Depois de enviado às redações um vídeo da suposta detenção e de a agente do cantor ter sido citada pela revista Nova Gente, vários órgãos de comunicação nacionais deram a notícia.

Não era verdade. Tratou-se de um golpe de marketing para promover o novo single, reconheceu, mais tarde, o músico.

"Sim, os jornalistas podiam ter contactado as autoridades policiais norte-americanas, mas é impossível contar a verdade num mundo em que a mentira passa a ser a normalidade".

Daniel Oliveira condena a atitude do cantor, que nas redes sociais "se vangloriou do feito" e deixou um "raspanete" aos jornalistas, dizendo que precisavam de confirmar melhor as suas fontes. "Fonte que por acaso foi ele próprio, através da sua agente".

"A inversão de valores" fica patente em dezenas comentários dos fãs de David Carreira, praticamente todos a comentar a imprensa e a elogiar a ideia. "Quem mente para se promover é um génio, quem é enganado é um idiota"., lamenta o jornalista e comentador.

"Não importa se estás errado, desde que dês nas vistas. Resulta com Donald Trump, resulta com David Carreira".

Texto: Carolina Rico

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de