Notre-Dame e o resto

O Presidente Macron fez o que pôde para trazer o Papa Francisco a Paris no rescaldo do incêndio de Notre Dame mas o Papa que não só não é italiano mas tampouco é europeu, não se deixou convencer. Se tivesse vindo ajudaria talvez também a fazer esquecer em peitos fieis franceses as suas manifestações de amizade por Cardeal francês, compincha de longa data que muito o ajudou a subir ao trono pontifício, condenado há pouco em primeira instância em tribunal francês por ter protegido padre pedófilo, que Francisco recebeu em Roma recusando-se a aceitar a sua demissão (há apelo e há presunção de inocência, sublinhou o Vaticano). Macron, que precisará de legitimidade quase divina para conquistar de novo legitimidade eleitoral, há de ter ficado desapontado (decidira fazer-se baptizar aos 12 anos contra a opinião de pai livre-pensador; ultimamente diz-se que pende para o agnosticismo mas o ponto evidentemente não é esse - é a política: trazer o Papa a Paris teria aumentado a sua cota na França profunda e na outra).

Victor Hugo tem sido muito citado, com o corcunda Quasimodo e a cigana Esmeralda em primeira linha; a história de França relembrada desde o século XII, com as provações da catedral postas em relevo, mormente durante o Terror na Revolução Francesa de 1789 em que pensaram deitá-la abaixo e serviu de armazém. Rompendo com tradição da monarquia foi lá que Napoleão se coroou Imperador. E têm-se enumerado os tesouros perdidos no fogo bem como os tesouros salvos dele (entre estes últimos, discretamente, às vezes de maneira quase envergonhada, a mais notável das relíquias lá guardadas: a coroa de espinhos, que só os mais beatos entre os beatos acreditam ser a original - e que para espírito como o meu evoca sobretudo a visita a Jerusalém do Raposão, anticlerical e desavergonhado d" A Relíquiade Eça de Queiroz e não o Calvário, com Cristo entre os dois ladrões).

Que as religiões - incluindo o catolicismo apostólico romano bem como suas Cruzadas e Inquisição - tenham sido dos maiores criadores de sofrimento no mundo é convenientemente esquecido nesta altura até porque também criaram, e continuam a criar, felicidades e êxtases sem paralelo e porque o catolicismo está a perder fieis, não tanto para o judaísmo e o islão mas para religiões protestantes evangélicas. E isso nota-se todos os dias: em França as igrejas católicas estão vazias nos dias e às horas de culto e as mesquitas estão cheias. Pior ainda, igrejas protestantes carismáticas, muito populares há décadas em África e na América Latina, estão agora pela primeira vez a entrar em força no Hexágono. E, ainda por cima, nenhum destes outros cultos (nem as igrejas protestantes tradicionais) está marcado pela mancha da pedofilia que a igreja de Roma começou por procurar esconder e negar. Tempos difíceis.

Continuar a ler

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de