Português e vivo

Português e vivo/É diminutivo./Só fazemos bem/Torres de Belém.

Esta quadra popular de Carlos Queiroz, a quem ficámos a dever algumas magníficas, não é das melhores que ele escreveu. Nos dois últimos versos dá ideia de não ter percebido a visão e a força precisas para construir a Torre de Belém quanto mais várias. Tomáramos nós!

Antes dessa tontice, porém, os dois primeiros versos exprimem aquilo que desde que me lembre - e desde pelo menos Os vencidos da vida- os portugueses que pensavam e julgavam conhecer o seu país achavam e diziam. Assim Oliveira Martins - um dos vencidos- a propósito de Os Lusíadas: «Há países para quem a epopeia é, ao mesmo tempo, o epitáfio» - ou palavras no mesmo sentido; cito de memória conversa ouvida em casa dos meus pais, quando era pequeno. Salvo em propósitos de propaganda, na monarquia liberal, na primeira república, no estado novo, no Portugal democrático, era o que se ouvia - e a culpa caía sempre nos inimigos políticos de estimação de quem estivesse a falar: os Braganças, a República, Salazar, os comunistas, a reacção; ultimamente (desde que ao Beato Obama sucedeu o Mafarrico Trump), até a América, isto é, os Estados Unidos.

No começo do século XX, até ao arrumo do jacobinismo oficial em 1926, a igreja católica foi o bombo da festa. Em 1911, folheto anticlerical esclarecia na primeira página: A palavra padre é aqui empregue no seu sentido o mais pejorativo.A seguir ao 25 de Abril não houve nada disso. Os católicos progressistas - «pessoas que tinham a coragem de dizer aquilo que já não era preciso ter coragem para dizer» na formulação de Luis Sttau Monteiro - eram bem acolhidos pela oposição histórica ao regime; anticomunismo popular veemente no Norte de Portugal foi apoiadíssimo pelos curas locais; o Dr. Mário Soares, que tinha mais jeito para a política do qualquer dos seus compatriotas contemporâneos, fez gala em aparecer a almoçar e jantar com bispos nas televisões e em fotografias de capas de jornais. (O estado novo dizia mal de democracia e de comunismo, metendo-os no mesmo saco, o que facilitou a tarefa da oposição mas foi preciso esclarecer depois do 25 de Abril).

E os portugueses continuavam tristes. Pobres e tristes: Les portugueux sont toujours gueux, escreveu Alexandre O"Neill. Tenho experiência de voltar a Portugal desde 1952, umas centenas de vezes; falei com muitos estrangeiros que cá vieram. Havia, como dizem agora, um consenso: os portugueses eram tristes.

Uso o pretérito porque parecem ter deixado de o ser. Neste último regresso, desde a tripulação da TAP a encontros em lojas e transportes, às pessoas que lidam profissionalmente comigo, é como se toda a gente se tivesse livrado de fardo que levara às costas. E estão alegres (!). Não sei por quanto tempo mas julgo saber porquê. António Costa (cuja maneira de chegar a PM muito me irritou na altura) nasceu com talento redondo para o que está a fazer e dá aos portugueses conforto de que nós precisávamos.

Continuar a ler

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de