Lula não é Sócrates e Sócrates não é Lula

Daniel Oliveira discorda das comparações feitas entre os casos de Lula da Silva e José Sócrates. No espaço de opinião que ocupa semanalmente na TSF, o jornalista disse que comparar o antigo Presidente brasileiro com o ex-primeiro-ministro português é comparar "o vinho e a água".

Luiz Inácio Lula da Silva, que liderou Brasil entre 2003 e 2010, foi libertado na sexta-feira, depois do Supremo Tribunal Federal brasileiro ter decidido anular a regra que permitia a prisão de arguidos condenados em segunda instância, como era o caso do antigo chefe de Estado - que estava preso desde abril de 2018.

Daniel Oliveira afirma que, desde então, têm-se ouvido, em Portugal e no Brasil, comparações entre os processos dos dois antigos líderes políticos, feitas por quem "não está de boa-fé ou conhece mal o processo de Lula da Silva".

"O próprio Sócrates faz tudo para essa comparação, e não é por acaso que o faz", atirou o comentador, que defende que, ao contrário de Lula da Silva, José Sócrates "não transformou Portugal numa das maiores economias do mundo; não retirou, que se saiba, ninguém da pobreza; não pôs milhares de pobres na universidade; não garantiu casa a milhares de pessoas; e, sobretudo, não afrontou o poder de forma a que se justifique qualquer tipo de cabala contra ele".

"Quem compara Lula a Sócrates está a fazer um enorme favor a José Sócrates", apontou Daniel Oliveira.

O jornalista lembra que ambos os processos tiveram, na Justiça, grandes diferenças. "No julgamento de Sócrates, não se conhecem combinações entre o Ministério Público e os vários juízes. Já qualquer pessoa que tenha acompanhado a Vaza Jato, (...) percebe a absoluta aberração em que o juiz Sérgio Moro partilha estratégias e informação com a acusação. Só isto chegaria para anular o julgamento de Lula!", afirmou Daniel Oliveira, sublinhando que, em Portugal, "um julgamento tem de ter um juiz imparcial".

Outro dos pontos referidos pelo comentador é o facto de Sérgio Moro, depois der trabalhado para a prisão de Lula, ter integrado o Governo de Jair Bolsonaro. "Nenhum juiz em Portugal foi premiado com um lugar no Governo - um Governo que só existe porque Lula da Silva foi preso!", apontou o comentador. "Aliás, o antigo juiz Sérgio Moro agora está a tentar mudar a lei para permitir que Lula volte a ser preso, num julgamento em que ele foi juiz, portanto, a promiscuidade é total."

Além disso, notou Daniel Oliveira, em Portugal "houve recolha de provas" para a acusação. Já no Brasil, houve apenas "conjeturas sobre um apartamento - o famoso triplex do Guarujá - que legalmente não é de Lula, continuou propriedade do dono original (...), e que Lula nunca usou".

"Deve ser o primeiro suborno que se conhece na vida onde quem o recebeu não tem qualquer proveito. Tirando tramá-lo, para que serviria tal suborno?", comentou.

O jornalista salientou ainda o facto de em Portugal, contrariamente ao Brasil, não existir "delação premiada". "Felizmente", disse, "porque a delação premiada é o que permite que outros acusados, para se safarem, acusem quem o Ministério Público pede que acusem". "Foi exatamente isso que aconteceu" com Lula, acusou.

Por último, Daniel Oliveira frisa as diferenças nas reações que se fizeram sentir em relação aos dois casos: "Qualquer pessoa que tenha lido a acusação e condenação de Lula fica totalmente estarrecida com o grau de arbitrariedade que aquele processo tem, coisa que não acontece no processo de José Sócrates."

"Ninguém em Portugal, a não ser maluquinhos, defende José Sócrates. Mas metade do Brasil defende Lula da Silva", atirou o comentador. "O PS, como todos reparámos, abandonou José Sócrates. No Brasil, o PT e todos os partidos de esquerda estão com Lula."

Para Daniel Oliveira, a grande separação entre Sócrates e Lula está na "infeliz" diferença que existe entre Portugal e o Brasil. É que "Portugal, com todas as falhas que tenha, é um Estado de Direito (...). O Brasil, infelizmente, ainda não o é."

Texto: Rita Carvalho Pereira

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados