O "equívoco" que quase fez cair o CR7 das finanças

Boa tarde. Não foi propriamente a pandemia, mas resulta dela: nas últimas 24 horas, o país ia perdendo o ministro das Finanças, ficou a saber que foi por causa do Presidente da República e que, no final, ficou tudo na mesma. A política parece ter regressado definitivamente. Mas antes, vamos aos números do dia.

Os números mais recentes

São 1.184 vítimas mortais. Os dados mais recentes da Direção-Geral da Saúde mostram que houve mais nove mortes nas últimas 24 horas em Portugal e mais 187 casos de contágio, de um total de 28.319.

Espanha viu aumentar, novamente, o número de mortes - mais 217 nas últimas 24 horas - e registou mais 506 casos de infeção pelo novo coronavírus.

O Reino Unido registou mais 428 mortes e viu a contagem oficial de óbitos crescer para 33.614.

Nos Estados Unidos morreram mais 1.800 pessoas, em apenas um dia, elevando o número de vítimas mortais para 84 mil desde o início da pandemia.

No Brasil já perderam a vida mais de 13 mil pessoas - 749 só nas últimas 24 horas - e o número de contágios voltou a subir para quase 189 mil.

Em todo o mundo já morreram quase 300 mil pessoas e há mais de 4,3 milhões de infetados.

O que se passa no terreno

Hoje foi dia de avaliação. Presidente, Governo e partidos estiveram reunidos no Infarmed para ouvirem os especialistas sobre a evolução do vírus em Portugal. No final, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que ainda é cedo para grandes conclusões.

Até porque, de acordo com a diretora-geral da saúde, o desconfinamento, até agora, ainda não teve grande impacto na curva epidemiológica.

O primeiro-ministro assegurou que o país está preparado para a segunda fase do desconfinamento e garantiu que as creches, em particular, estão preparadas para reabrir.

Com a nova fase de desconfinamento - marcada para a próxima segunda-feira - e com o regresso às escolas, os autarcas temem que o transporte escolar possa não conseguir dar resposta.

Entretanto, soube-se hoje que, só em lares de idosos, já morreram 477 pessoas em Portugal.

O que a política está a fazer...

O que é que faz mesmo falta quando se está a lidar com uma pandemia? Uma crise política, pois claro. Se esteve "desligado" nas últimas 24 horas e só agora "aterrou" em Portugal, fique a saber que aconteceu muita coisa.

Mário Centeno foi ao Parlamento defender-se dos que o acusam de ter transferido 850 milhões de euros para o Novo Banco sem "dar cavaco" a ninguém. António Costa, que não queria falar do assunto, "anunciou" a recandidatura e vitória de Marcelo Rebelo de Sousa nas próximas presidenciais. Apanhado de surpresa, Marcelo recentrou a conversa e saiu em defesa do primeiro-ministro no caso do Novo Banco. Com isso deixou Mário Centeno mais frágil. E o PSD aproveitou a boleia para desconfinar a oposição. No final, Mário Centeno e António Costa tiveram uma conversa longa, posaram para a fotografia, saíram sorridentes para as câmaras de televisão e ficou tudo na mesma. Será?

Não. A TSF adiantou em primeira mão, esta quinta-feira, que Mário Centeno não gostou da forma como Marcelo se pronunciou sobre o episódio do Novo Banco e foi à Residência do primeiro-ministro disposto a pedir a demissão, se António Costa não esclarecesse esta "ingerência" do Presidente. Três horas de reunião serviram para meter cá fora um comunicado que salva a face de Centeno e de Costa. E ainda houve um telefonema de Marcelo para o ministro das Finanças a explicar que tudo não passou de um equívoco. A história está toda aqui. É ler.

A oposição é que parece disposta a não deixar morrer o assunto: o PSD diz que Centeno manda mais que Costa, o CDS fala numa "crise egos", o BE diz que Centeno está "a prazo", o PCP diz que isto parece uma "novela" e o PAN fala em "irresponsabilidade". ​​

Fique atento às cenas do próximo capítulo.

... e como tudo isto mexe com a economia

A Ordem dos Contabilistas Certificados acusa os bancos de terem falhado com as empresas portuguesas. O dinheiro não está a chegar ao terreno.

As estatísticas mostram ainda que há, em Portugal, mais mulheres que homens em assistência à família, em lay-off ou sem atividade.

E que com a produção automóvel praticamente parada em abril, a queda foi de 96%.

Ainda o regresso do futebol: os jogadores querem um seguro de vida por causa da Covid-19. O presidente do sindicato explica porquê.

Nos Estados Unidos já se registaram nos centros de emprego quase três milhões de pessoas.

Informações que lhe podem ser úteis

Se mora no Porto, fique a saber que o passe família chega já no próximo mês.

Tenha cuidado com a internet durante esta pandemia: há cada vez mais ataques de phishing.

Sugerimos ainda que...

A opinião de hoje tem assinatura do Adolfo Mesquita Nunes e é sobre a polémica em torno de Mário Centeno.

À quinta-feira há sempre Circulatura do Quadrado, com Pacheco Pereira, Jorge Coelho, Lobo Xavier e a moderação do Carlos Andrade.

O Bruno Nogueira e o João Quadros explicam hoje "como fazer um bom zapping", em mais um "Tubo de Ensaio".

Até amanhã.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de