O futuro implica renascer das cinzas

O turismo está de regresso e tem futuro. Nas ruas, de Norte a Sul, voltamos a ver e a ouvir os turistas a puxarem os seus trolleys, a agitação dos tuc-tuc , aviões no ar e, no caso de Lisboa, os cruzeiros de grande porte já voltaram a atracar no rio Tejo.

O mesmo está a acontecer nos arquipélagos dos Açores e da Madeira que, este ano, foram redescobertos pelos lusitanos e atraem cada vez mais estrangeiros.

Sim, o turismo tem futuro e as exportações nacionais agradecem! Há muito caminho para fazer, mas cada vez com "mais sustentabilidade", como afirmou Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal, na conferência "Pandemia, e depois? A sustentabilidade como resposta", que decorreu na última quinta-feira, em Cascais.

As tendências do sector apontam para uma valorização cada vez maior, por parte dos turistas, de destinos que zelam pela gestão da água, dos resíduos, da biodivesidade, que persistem na luta por reduzir a suas emissões e pegada carbónica e que não largam a bandeira do verde nas suas apostas estratégicas.

Jovens gerações e novos emissores de turistas tendem a olhar os destinos com novos olhos, de quem pretende contribuir para o desenvolvimento económico, mas sempre com um propósito.

Neste ambiente de pós-pandemia, ao mesmo tempo que os viajantes regressam, as famílias portuguesas voltam a reunir-se em casamentos e baptizados, cumprindo as regras da Direcção Geral de Saúde para os espaços fechados, mas sem deixar de viver em sociedade.

Os negócios dos eventos, das celebrações, da diversão - como é o caso das discotecas que têm agora filas de duas e três horas na capital, por exemplo - voltam a reanimar.

Os cidadãos sabem que deitar tudo a perder deixa-os fora de jogo. Já conhecem o preço alto que foi pago após o último Natal ou a fatura pandémica que coube às empresas e aos milhares de trabalhadores que ficaram sem rendimento ao longo do último ano e meio.

A confiança volta a estar no ar. Mas tem de ser agarrada, estimulada, regada, com um novo orçamento do Estado que saiba acompanhar os tempos e as necessidades de particulares e empresas que tentam, tantas vezes, renascer das cinzas, qual Fénix.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de