Olhar a natureza com outros olhos e responsabilidade

A pandemia de covid-19 e a guerra provocada pela Rússia podem estar a colocar em risco o nível de atenção dado pelos líderes, políticos e não só, aos temas relacionados com o clima. Mas as alterações climáticas desconhecem se o vírus assolou o mundo ou se Putin destruiu a Ucrânia. Como já alertou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, há reformas que não são adiáveis, referindo-se ao ambiente, à sustentabilidade e ao mar.

É sabido que os gabinetes ministeriais têm as gavetas cheias de estudos e diagnósticos, mas falta concretizar. Citando a jovem ativista Greta Thunberg, no penúltimo World Economic Forum, em Davos, "chega de blá, blá, blá". Já não dá para assobiar para o lado, disfarçar nem para maquilhar o problema que temos todos em mãos. Continuamos sem planeta B e é preciso cuidar do que temos e onde vivemos com os nossos filhos.

A literacia ambiental deveria ser uma das apostas das políticas públicas e não apenas de uma legislatura, mas de várias e de forma contínua. Ensinar a cuidar do planeta deve começar nos bancos da escola, mas também em casa. Ao domingo aproveite para pegar nos miúdos e levá-los pelos caminhos das florestas, dos rios ou do mar. De norte a sul, há um sem fim de atividades que pode fazer com as crianças, que são gratuitas e que têm impacto no curto, médio e longo prazo, porque ficam registadas nas memórias daquele que serão os adultos do futuro.

Desde limpeza de areais na praia a plantar árvores, contribuir para um mundo mais sustentável tem de ser mais do que o "blá, blá, blá" de que falava Greta Thunberg, tem de ser mais do que o que vem nos livros de Estudo do Meio do primeiro ciclo de ensino.

O ambiente, e os oceanos em particular, não podem ser esquecidos. Lisboa vai acolher a Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, de 27 de junho a 1 de julho. Será o momento de reunir chefes de Estado e outros decisores. Mas reunir não basta, vai ser preciso agir, até porque os tais adultos do amanhã, mais cedo do que tarde, vão cobrar por isso.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de