Mais Opinião

Anselmo Crespo
Anselmo Crespo

Primeira morte abaixo dos 30 anos em Portugal. E a morte lenta da economia

Boa tarde. A luta contra o novo coronavírus. A luta contra o tempo. A luta pela sobrevivência económica. As estatísticas vão dando forma a uma crise provocada pela pandemia das nossas vidas. São cada vez mais as empresas em lay-off, o número de desempregados continua a subir e a economia prossegue a queda vertiginosa. E tudo isto enquanto noutros campos de batalha se continua a lutar pela vida humana. Vamos aos números de hoje.

Anselmo Crespo
Anselmo Crespo

Austeridade: uma discussão semântica

Do latim austeritas. Qualidade ou característica do que é austero. Rigor, severidade. O dicionário podia ajudar a resolver de vez uma discussão enviesada sobre um futuro que já está presente na vida de quase todos por estes dias. Direta ou indiretamente, não há português que, neste momento, não esteja a sentir os efeitos de uma austeridade que foi imposta pela pandemia. O que não significa que não haja uma discussão política profunda a fazer.

Inês Cardoso
Inês Cardoso

Riscos, mitos e escolhas

Sair de casa e abrir gradualmente a atividade económica é a única coisa a fazer nas próximas semanas e meses. Sabíamos que o confinamento era uma medida a prazo, para assegurar capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde e proteger grupos de risco. Mas vamos ter de conviver com o novo coronavírus ao longo dos próximos anos, mesmo já depois de haver vacina ou tratamento eficaz. Criou-se a ideia tranquilizadora de que a vacina estará pronta rapidamente e, como por magia, de um dia para o outro erradicaremos a Covid-19. Não é assim com nenhum vírus e o que é previsível é que ele entre no nosso ambiente, como outros, e convivamos com a doença durante muito tempo, mesmo quando já for possível ter armas reforçadas para proteger os grupos de risco. Apanhá-lo não é uma fatalidade e será uma inevitabilidade para uma grande parte da população.

Rodrigo Tavares
Rodrigo Tavares

III. Os efeitos da Covid-19 nas cidades

No dia 29 de setembro de 1918, no auge da segunda vaga de Gripe Espanhola, a Direção Geral de Saúde anunciou seis medidas para combater a pandemia. Três delas estavam direcionadas ao poder local - organizou a assistência clínica em torno dos "médicos municipais" (medida 4), dividiu os concelhos em "zonas médicas e farmacêuticas" (medida 5) e ordenou que as câmaras municipais criassem "comissões de socorro" (medida 6). O efémero governo nacional de Sidónio Pais precisava das cidades para combater a doença, ainda que, na altura, apenas 20% da população vivesse em áreas urbanas.

Anselmo Crespo
Anselmo Crespo

Donald Trump ou como a parvoíce também não se cura com desinfetante

Boa tarde. Enquanto grande parte do mundo continua a combater a maior pandemia dos nossos tempos, uma ínfima parte continua a dizer disparates e a espalhar informação errada que pode ser perigosa. É o caso do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e do chefe de Estado do Brasil, Jair Bolsonaro. Continuam a ser notícia pelos cargos que ocupam, mas, sobretudo, porque aquilo que dizem tem mesmo de ser escrutinado e "desmontado", para que o mundo não corra mais riscos do que aqueles que já enfrenta. ​Já lá vamos. Primeiro os números que fecham mais uma semana de pandemia. ​​