Um embaraço chamado Tancos

Um assalto às instalações militares. Uma descoberta bizarra. Um encobrimento. Um ex-ministro acusado. Uma campanha eleitoral. E vários embaraços políticos. O caso Tancos não dava um filme, dava uma série daquelas com várias temporadas. A boa notícia, para quem gosta de séries que envolvam política e justiça, é que estão para estrear novos episódios. A má é que, qualquer que seja o desfecho, vai ser feio. Muito feio.

O caso Tancos - como seria de esperar - continua a marcar esta campanha eleitoral para as Legislativas. Se já se perdeu nesta história, ou se acabou de "aterrar", a Cátia Carmo faz-lhe um resumo de um caso que começou por ser de polícia e que acabou por se tornar num enorme imbróglio político.

Em princípio, um primeiro-ministro que vê um ex-ministro seu acusado pelo Ministério Público de quatro crimes , no mínimo, fica embaraçado politicamente. E a temer pelo machado afiado da oposição. Mas é aqui que a bizarria - num caso já de si bastante bizarro - se avoluma. É que não só Rui Rio deu o flanco, como, à esquerda, está tudo a gerir com pinças um caso que todos consideram gravíssimo, mas do qual fogem como o diabo da cruz.

Tancos virou, assim, uma espécie de fantasma nesta campanha eleitoral. Rui Rio passou 24 horas a explicar o que tinha dito nas 24 horas anteriores e a defender-se dos ataques daquele a quem quis atacar. Assunção Cristas primeiro disparou freneticamente sobre António Costa, agora cancela uma ação de campanha para reunir, este sábado, com o seu núcleo duro e analisar ponderadamente o caso. Catarina Martins já esgotou os superlativos para descrever a gravidade da situação, mas nem se atreve a atirar pedras ao PS . Jerónimo de Sousa, que também não é a pessoa mais à vontade a falar do tema, acabou por fazer uma revelação surpreendente .

O embaraço do PCP e do Bloco de Esquerda é relativamente fácil de explicar. Afinal, foram estes dois partidos que ajudaram o PS a aprovar o relatório final da Comissão de Inquérito a Tancos, que, nas suas conclusões, dizia, basicamente, que Azeredo Lopes não sabia do encobrimento. O problema é que, agora, o Ministério Público diz o contrário. Jerónimo de Sousa já admite uma nova Comissão de Inquérito , caso alguém a proponha. E é provável que o PSD ou o CDS o venham a fazer.

No meio de tudo isto, Costa continua protegido, não só pelos guarda-costas que vão mantendo os jornalistas ao largo, mas por uma oposição que é, no mínimo, equívoca. Foi numa encenada euforia socialista, durante a tradicional arruada em Santa Catarina, no Porto, que o secretário-geral do PS decidiu voltar ao tema, não para responder às perguntas dos jornalistas, mas para deixar uns conselhos a Rui Rio . António Costa parece querer resguardar-se e deixar para os camaradas socialistas os ataques mais duros ao líder do PSD. Em Viana do Castelo, o Miguel Midões e a Inês Figueiredo assistiram aos trocadilhos do autarca de Caminha, que decidiu brincar aos ditados populares. Dica: mete a água do banho e um bebé .

Conselho meu: ouça este resumo sonoro sobre esta polémica, feito pelo João Félix Pereira. A seguir, espreite o Bloco Central da semana - com o Pedro Adão e Silva e o Pedro Marques Lopes - sobre o encobrimento do achamento da campanha . E termine em beleza com a "análise" ao caso Tancos do Tubo de Ensaio.

Há mais campanha para além de Tancos?

Claro que há. Ou, pelo menos, os partidos vão-se esforçando por fazer passar a mensagem. Até porque, daqui até dia 6 de outubro, ainda há muito voto para conquistar. A última atualização da sondagem da Pitagórica para a TSF, JN e TVI mostra que todos os partidos - com exceção do PAN - caíram na intenção de voto. Mas mostra também um PS à frente, um PSD a mais de 10 pontos de diferença e um PAN cada vez mais próximo do CDS. A Judith Meneses e Sousa tem os números exatos para lhe dar, todos os dias, até ao dia das eleições.

Esta sondagem mostra ainda que o Iniciativa Liberal e o Livre têm reais possibilidades de eleger, pela primeira vez. E, no caso do Livre, uma das candidatas que pode chegar a deputada é Joacine Katar Moreira, cabeça de lista por Lisboa. Em dia de manifestação pelo clima, Joacine veio avisar que não basta sensibilizar , é preciso fazer.

Não difere muito do discurso do PAN, que veio criticar a incoerência dos restantes partidos em matéria climática. Enquanto isso, Assunção Cristas foi apanhar beringelas - sim, leu bem. Mais difícil, conta a Raquel de Melo, foi acertar com as leguminosas no "cesto".

Existisse uma AD e, talvez, Rui Rio pudesse dar uma ajuda à líder do CDS. Sá Carneiro desceu à cidade mais alta de Portugal, invocado pelo próprio Rui Rio, que decidiu comparar-se ao fundador do partido . E não faltam, pela Guarda, como constataram o Filipe Santa Bárbara e a Carolina Rico, saudosistas desses tempos. Por falar em Rui Rio: o sentido de humor do presidente do PSD no Twitter parece ser proporcional às subidas e descidas do partido nas sondagens. Já a banda sonora da campanha social-democrata está cada vez mais pimba .

Sim, os partidos dão-nos música. E o Pedro Tadeu, desta vez, descobriu que o hino do CDS está diretamente relacionado com o famoso Topo Gigio .

Bom fim de semana!

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de