Um tratado de hipocrisia governamental

Em 2016, o preço do barril do petróleo estava em queda, abaixo dos 40 dólares, e o governo resolveu aumentar o ISP para compensar as perdas fiscais. O que o governo fez foi aumentar a percentagem do imposto no preço final da gasolina para o consumidor. Aumentou a margem. Entretanto, o preço do barril já vai a caminho dos oitenta dólares e o Estado recolhe cada vez mais impostos.

Agora, como que a pedido, se é que não foi mesmo a pedido, a Entidade Nacional do Setor Energético (ENSE) divulgou um estudo que mostra que as gasolineiras aumentaram a margem de lucro bruto no preço final, durante a pandemia, quando diminui a venda de combustíveis. Ou seja, as empresas fizeram exatamente aquilo que viram o governo fazer.

Deu jeito o estudo da ENSE, porque nesse mesmo dia o ministro do Ambiente pôde ir à Assembleia falar deste "desaforo" das gasolineiras que colocam os combustíveis em valores que já ninguém pode pagar. Ainda ontem meti gasolina simples a um euro e oitenta cêntimos, 360 escudos na moeda antiga, vinte contos de rei para encher um depósito de 60 litros.

Acontece que nas parcelas que compõem o preço final da gasolina, os impostos valem 60% e as ditas margens menos de 10%. Ora, se o Executivo não mexe no que vale quase dois terços do preço e se propõe retirar uns cêntimos às ditas margens, é claro que os combustíveis vão continuar altos. Espanta-me, aliás, tanta inabilidade política, porque com este tratado de hipocrisia, toda a gente vai perceber que há duas razões para a gasolina estar cara, uma é o preço do petróleo e a outra, ainda mais importante, é o que o Governo nos cobra de impostos cada vez que metemos gasolina para ir trabalhar ou visitar os parentes à terra.

Para final de conversa, devo dizer que a mim nem me incomoda que os combustíveis sejam caros, mesmo por causa dos impostos. O ambiente agradece que poupemos na utilização de combustíveis fósseis. O que era bom é que esses impostos servissem para termos transportes públicos ao nível do que se faz no mundo desenvolvido.

E acima de tudo que o Governo não nos atirasse estudos para os olhos, para ver se nós esquecemos esta carga brutal de impostos com que temos de viver.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de