Vergonha alheia

O erro de Ferro Rodrigues não é apenas de cariz democrático, é um enorme erro político, aplaudido por uma bancada onde é escassa a noção das consequências.

Para começo de conversa, convém lembrar que ao Presidente da Assembleia da República (PAR) não compete determinar a quantidade de vezes que se pode utilizar determinada palavra. Vergonha, embora seja um substantivo feminino usado com frequência no debate político, não é coisa que se veja com a frequência desejada na cara de políticos que tinham razão para tal, a começar pelo próprio André Ventura. A falta de pudor do deputado do Chega em utilizar a toda a hora a palavra vergonha acontece porque ele se refere à vergonha alheia. Nele nunca se verá o "rubor das faces causado pelo pejo", definição de vergonha no dicionário Priberam.

De igual modo, fica muito difícil de perceber que o PAR tenha detetado um uso excessivo da vergonha alheia, sentida e expressa por um deputado da extrema-direita, mas não tenha percebido que, com igual frequência, os deputados do PCP e do Bloco, acusam o Partido Socialista de estar coligado com a direita, "contra o interesse dos trabalhadores". De uma penada, ofendem a direita e o PS. Mas esta retórica política ultrapassa os limites da liberdade de expressão? Não, claro que não! As bancadas à esquerda dos socialistas não estão a acusar o PS de querer prejudicar intencionalmente os trabalhadores, apenas expressam uma opção política que gostariam de ver seguida.

Adiante!

O erro político de Ferro Rodrigues e da bancada socialista é o de não perceber o favor que fazem a um partido de extrema-direita onde não existe vergonha na cara, mas abunda a vergonha alheia, dando-lhe atenção mediática e, sobretudo, capital de queixa. Podem pensar que o crescimento do Chega é um problema dos partidos de direita (PSD e CDS) e que, portanto, daí não vem mal ao mundo (deles), mas quem acabará por pagar a fava é a Democracia. Politicamente, o que esperava o PAR que acontecesse? Ventura passará a falar da vergonha muito mais vezes do que tinha feito até aqui. A ele ninguém o calará, não tenham a mínima dúvida disso. Deitaram água no Gremlin, agora fiquem a assistir ao milagre da multiplicação.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de