Tom de pele de António Costa. Telmo Correia acusa primeiro-ministro de "vitimização"

Num jantar em Famalicão, perante militantes centristas, o deputado centrista acusou António Costa de "bater no fundo" e de ter sido um "privilegiado a vida toda."

O deputado Telmo Correia considera que António Costa "bateu no fundo" quando na sexta-feira, durante o debate quinzenal, usou o argumentou do tom da pele para responder ao CDS sobre se condenava ou não a violência registada no bairro da Jamaica. O centrista acusou o primeiro-ministro de vitimização.

"Foi o grau mais baixo. Bateu no fundo! Porque ainda para mais, vindo de quem é, eu conheço-o há muitos anos, vindo de um privilegiado de toda a vida, usar aquele tipo de vitimização é uma vergonha", acusou Telmo Correia durante um jantar em Famalicão, defendendo que "vítimas são os portugueses desta governação, dos erros e da incapacidade deste primeiro-ministro e deste governo."

Na sexta-feira, os incidentes no bairro da Jamaica e a onda de vandalismo na Grande Lisboa marcaram o aceso debate entre o Governo e a oposição. Depois de Assunção Cristas questionar o primeiro-ministro sobre se o executivo condenava ou não a violência, António Costa respondeu de forma exaltada. "Deve ser pelo meu tom de pele que me pergunta se eu condeno ou não a violência", respondeu o chefe do executivo.

O CDS está reunido em Braga, onde decorrem as jornadas parlamentares do partido liderado por Assunção Cristas.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados