António Costa garante que não existe "problema sério"

Em Haia, António Costa desvalorizou a recente troca de correspondência com Bruxelas. O primeiro-ministro diz que são "tecnicalidades orçamentais" e que a nível político "nada se passa".

O chefe do governo português diz que recebeu, esta quinta-feira de manhã, um telefonema do comissário europeu, Pierre Moscovici, que lhe assegurou que "a nível político nada se passa, tudo se passa a nível técnico".

António Costa não acredita que exista um problema sério

00:0000:00

António Costa diz acreditar que não existe "nenhum problema sério" e remete para os técnicos do Ministério das Finanças e na Comissão Europeia "esclarecer essas tecnicalidades".

O primeiro-ministro diz que não está "apoquentado" e afirma que "em função dos resultados far-se-á o que for necessário fazer".

O primeiro-ministro confia perfeitamente no ministério das Finanças

00:0000:00

Costa respondia a perguntas dos jornalistas, depois de um encontro com o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte.

César admite "correções" mas quer "aproximação" de Bruxelas

Em Lisboa, no final da reunião do grupo parlamentar do PS, Carlos César sublinhou que o governo não pode ter uma posição "inamovível" e disse acreditar que haverá "uma aproximação de posições". Seja pela introdução de "correções" como pela "aproximação" da Comissão Europeia da posição portuguesa.

Estas declarações seguem-se a notícias sobre a eventualidade de as primeiras contas da Comissão Europeia apontarem para um défice de 3,4% em vez dos 2,6% estimados pelo governo no esboço de Orçamento de Estado para 2016.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de