Governos dos últimos 20 anos cumpriram 60% das promessas eleitorais

Conheça os primeiros-ministros que mais (e menos) seguiram o programa que apresentaram durante a campanha eleitoral. Uma pista: o governo com mais promessas cumpridas tinha minoria no parlamento.

Os governos portugueses dos últimos 20 anos, de 1995 a 2015, cumpriram cerca de 60% das promessas escritas nos programas eleitorais. O número é de um estudo pioneiro em Portugal feito no ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), que contraria a perceção dos eleitores que acreditam que os partidos não cumprem a grande maioria daquilo que dizem antes das eleições.

A conclusão anterior é aliás comum a outros estudos semelhantes feitos noutros países europeus, mas em Portugal é ainda maior o número de pessoas que acreditam que os governos 'esquecem' as suas promessas.

Em média, os governos das últimas duas décadas cumpriram totalmente cerca de 50% das promessas eleitorais, tendo parcialmente cumprido outros 10%. Ou seja, sobram perto de 40% que ficaram por cumprir.

Na divisão por primeiros-ministros, o primeiro executivo de António Guterres foi, apesar de minoritário, aquele que cumpriu mais promessas: cerca de 85% cumpridas total ou parcialmente.

Seguem-se o primeiro governo de José Sócrates (com quase 80%) e, curiosamente, apesar da intervenção da troika, o executivo de Passos Coelho (próximo dos 60%).

Com valores bem mais baixos destaque para o segundo governo de Guterres e os dois executivos PSD/CDS de Durão Barroso e Santana Lopes com números próximos, respetivamente, dos 45% e 30%.

Recorde-se, contudo, que os governos anteriores caíram a meio das legislatura pelo que tiveram menos tempo para cumprir o programa que apresentaram em campanha.

"Portugal até tem dos melhores desempenhos no cumprimento de promessas"

A investigadora do ISCTE que liderou este estudo, Ana Maria Belchior, admite que é enorme a diferença entre aquilo que pensam os eleitores e os números a que chegaram de cumprimento das promessas eleitorais.

A professora de Ciência Política sublinha que essa dissonância também existe noutros países, apesar de em Portugal vários estudos mostrarem que uma maioria ainda maior dos eleitores acredita que os partidos não cumprem os programas eleitorais.

Ouça o resumo dos números e da conversa do jornalista Nuno Guedes com a investigadora Ana Maria Belchior

00:0000:00

Ana Maria Belchior admite uma perceção dos cidadãos que é "crítica" para a democracia e é difícil perceber ao certo, sem estudos mais aprofundados, o que motiva uma diferença tão grande.

Contudo, a investigadora admite que é possível que esteja relacionado com o facto de "algumas das promessas não cumpridas serem aquelas que verdadeiramente interessam aos cidadãos".

Explicando melhor, Ana Maria Belchior recorda que fizeram um estudo de caso ao governo de Passos Coelho em que perguntaram às pessoas quais eram as medidas que consideravam realmente importantes, tendo as respostas apontado, sobretudo, para não subir impostos, emprego, além de não fazer cortes em salários, pensões ou melhorar a economia.

Contudo, por exemplo, se analisarmos as promessas do PSD e do CDS em termos de redução de impostos cerca de metade dessas promessas de campanha não foram cumpridas, enquanto que nos salários e pensões também existiram baixos números de cumprimento.

Para Ana Maria Belchior aquilo que parece existir é uma espécie de "contágio": "não é cumprido aquilo que é realmente importante para as pessoas e estas extrapolam que tudo o resto também não é cumprido".

"Os números", acrescenta, "não coincidem e os governos portugueses até têm dos melhores desempenhos no cumprimento de promessas".

Ana Maria Belchior destaca ainda os bons resultados dos governos minoritários, nomeadamente o primeiro de António Guterres, algo que vai de encontro a outros estudos feitos na Europa que revelam que "os governos minoritários, que têm de negociar, tendem a ter um desempenho particularmente bom no cumprimento de promessas e melhor do que os governos de coligação".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de