Política

BE quer CTT outra vez públicos

O Bloco de Esquerda vai recomendar ao Governo que recupere "o controlo e gestão dos CTT". Comissão de Trabalhadores diz que "serviço público não está garantido" por falta de pessoal.

O Bloco de Esquerda quer que o Governo avance para a recuperação do controlo e gestão dos CTT.

"Está previsto no contrato de concessão que o Estado pode resgatar se a empresa estiver a incumprir as condições do contrato", defende o deputado José Soeiro.

Para o BE, a atual administração está a "esvaziar" a empresa para "distribuir lucros pelos acionistas", numa estratégia que está a "degradar as valências do serviço público, como a distribuição de correio".

Esta tarde, o Bloco recebeu representantes da Comissão de Trabalhadores, José Rosário acusa a administração dos CTT de avançar com "rescisões amigáveis", numa altura em que seria necessário contratar mais pessoal.

"Nós precisamos urgentemente de gente nas áreas operacionais. Nós hoje já não temos condições de assegurar, em todo o território nacional, uma distribuição domiciliária cinco dias por semana com um serviço público de qualidade", diz José Rosário.

A Comissão de Trabalhadores denuncia que "há pessoas à espera durante horas nas estações de correio e outras que esperam "dois, três, quinze dias por uma carta".

O tema vai ser debatido pelo Parlamento na primeira quinzena de janeiro

O processo de privatização dos CTT foi concluído em 2014. O BE diz que, desde 2015, saíram 2018 trabalhadores (num universo de 30 mil) e aumentaram os trabalhadores com vínculo precário.

  COMENTÁRIOS