Violência no Porto

Bloco exige consequências. Vai o Governo "retirar a licença a empresa" do agressor?

Bloco cita relatos que dão conta de que "as agressões foram motivadas única e exclusivamente pelo racismo e xenofobia".

O Bloco de Esquerda questionou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna sobre medidas que pretende tomar face à agressão a uma luso-colombiana, na madrugada de domingo, no Porto, quanto à investigação do caso e à empresa do segurança envolvido.

"Que medidas pretende o Ministério da Administração Interna tomar ou exigir quanto à empresa 2045 que garante a segurança da STCP? Pondera o ministério, por exemplo, retirar a licença a esta empresa?", questiona o BE, que quer também garantias de que os agentes do PSP presentes no local da agressão "tudo fizeram para garantir que este crime é investigado sem que nenhuma prova se tenha perdido entretanto".

O grupo parlamentar bloquista, endereçou as perguntas ao ministério na sequência da agressão imputada ao segurança da empresa 2045, na noite de São João, no Porto, à jovem luso-colombiana, situação que descreveu como "um ato de violência gratuita, desproporcional, ilegítima e chocante".

Sobre a atuação do segurança de serviço no local como fiscal da STCP (Sociedade de Transportes Coletivos do Porto), o documento do BE cita relatos que dão conta de que "as agressões foram motivadas única e exclusivamente pelo racismo e xenofobia daquele funcionário".

O funcionário, ainda segundo relatos citados pelo BE, "insultou a jovem mais do que uma vez, referindo-se à mesma como 'preta de merda' ou tecendo comentários como 'gente como vocês, pretos, só arranjam problemas'".

Também o PS já exigiu que o Governo atue junto das forças policiais para que haja consequências da agressão "racista" de que foi vítima aquela jovem e que conclua "rapidamente" o diploma sobre segurança privada.

Esta posição foi transmitida aos jornalistas pelo líder parlamentar socialista, Carlos César, depois de Nicol Quinayas, de 21 anos, nascida na Colômbia, ter sido violentamente agredida e insultada, na madrugada de domingo, no Porto, por um segurança da empresa 2045 a exercer funções de fiscalização para a STCP.

A empresa de segurança privada 2045 revelou na quarta-feira ter iniciado um processo de averiguações interno relacionado com a agressão à jovem.

"O processo de averiguações interno está a decorrer", indicou a empresa, não adiantando quando o concluirá.

Sem nunca mencionar a acusação de "motivações racistas" avançada pela agredida, a 2045 referiu, no entanto, ter "cerca de 3.000 funcionários, entre vigilantes e colaboradores da estrutura", que incluem "elementos de várias etnias", assegurando não haver "qualquer tipo de descriminação de nacionalidade, religião, raça ou género".

A jovem residente no concelho de Gondomar, distrito do Porto, teve de ser assistida no Hospital Santo António.

Em comunicado enviado hoje à agência Lusa, a SOS Racismo exigiu às empresas envolvidas, "STCP e 2045, uma tomada de posição pública imediata", denunciando "as referidas práticas racistas e assumindo todas as medidas necessárias para punir o(s) responsável(eis)".

  COMENTÁRIOS