Catarina Martins deixa avisos ao PS: "Há pessoas que não sabem onde vão morar"

Além do Bloco de Esquerda, PSD e PS reagiram à demissão de Helena Roseta, que coordenava o grupo de trabalho parlamentar sobre habitação.

Catarina Martins mostrou-se muito crítica ao facto de as novas medidas para o arrendamento urbano terem entrado num impasse, depois da demissão de Helena Roseta, a deputada responsável pelo grupo de trabalho sobre habitação.

"É um sintoma do facto do PS não estar a cumprir o compromisso que fez não só com o Bloco de Esquerda e com outros partidos mas também o compromisso interno na sua bancada", disse a coordenadora do Bloco Esquerda que deixou avisos aos socialistas.

"Espero que isto se resolva rapidamente porque há pessoas que não sabem onde vão morar. É absolutamente incompreensível para nós a forma como o PS está a adiar mais uma vez volta a adiar a votação de matérias tão fundamentais".

Já o PSD, pela voz do deputado António Costa Silva achou estranho a demissão de Helena Roseta.

"O processo para nós foi totalmente surpreendente e depois a tomada de posição final da deputada Helena Roseta, por quem temos muito respeito e admiração pelo trabalho que vai desenvolvendo e até cordialidade que ela tem tido no grupo de trabalho", frisou o deputado social-democrata.

Por outro lado, o PS justificou o adiamento da votação e respetiva implementação das medidas.

"Não havia condições garantidas para que as boas leis saíssem da AR para o mercado do arrendamento. Boas leis significam que existe uma maioria que sustente e apoie essas medidas", afirmou o deputado João Paulo Correia.

Do lado do CDS, Álvaro Castello Branco relembrou que os centristas foram o primeiro partido a apresentar diplomas para melhorar o mercado arrendamento. O deputado deixou ainda críticas à esquerda, acusando esses partidos que "olham para o arrendamento com táticas políticas e politiquices".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de