Legislativas 2019

CDS-PP define critérios para as candidaturas. Cristas defende rejuvenescimento das listas

"É inédito no CDS". É assim que Assunção Cristas, a líder do partido, define os critérios traçados este sábado pelo Conselho Nacional centrista e que vão levar à escolha dos candidatos às próximas eleições legislativas.

O perfil dos representantes do PP foi definido numa reunião realizada em Oliveira de Frades, no distrito de Viseu. No final do encontro de trabalho, Assunção Cristas explicou que "em primeiro lugar" vão ser tido critérios como o mérito, a experiência política. "[Mas] também a experiência nas várias áreas profissionais de forma a podermos ter um núcleo muito bom, muito capaz de cobrir todas as áreas da governação no parlamento", adiantou.

Nas linhas orientadoras para a constituição das listas, que estarão fechadas e aprovadas a 30 de março, o CDS vai ter ainda em conta a representação geográfica, a idade e até o género.

"É importante também rejuvenescermos o nosso grupo parlamentar, que haja um equilíbrio do ponto de vista de género. Somos o grupo parlamentar com mais mulheres neste momento no parlamento, quase equiparando o número de homens", destacou. A líder dos centristas quer ainda abrir o partido aos independentes e manter "o melhor grupo parlamentar".

Assunção Cristas disse aos jornalistas que o seu objetivo "é fazer o CDS crescer e contribuir para a alternativa do centro direita". Para captar mais votos, o partido está a trabalhar no terreno há vários meses.

"O que eu sinto para um partido da dimensão do CDS, e que tem a ambição de crescer e de melhor servir o país, [é que] é muito importante fazermos as coisas com antecedência, com serenidade, com muito trabalho de formiguinha, com muita ação no terreno. Não conheço outra receita", concluiu.

Cristas rejeita falar na "casa dos outros"

Questionada sobre a "guerra interna" no PSD, Assunção Cristas, líder do CDS-PP, sustentou que não fala da "casa dos outros" e que só o seu partido a preocupa.

"Eu não comento nada sobre partidos, que além do mais são amigos, o que posso dizer é que do lado do CDS o que desejamos é que haja uma alternativa de centro direita em Portugal", afirmou, salientando que os centristas foram com "antecedência" para o terreno para terem "a melhor proposta para apresentar a todos os portugueses e para serem uma primeira escolha". Tenho tido muitas vezes, o CDS está um passo à frente, entendemos que a alternativa passa por nós", defendeu.

  COMENTÁRIOS