Acabou reunião entre Costa e Marcelo. Primeiro-ministro faz declaração às 17h00

No dia em que o Governo acena com uma crise política devido à votação da recuperação integral do tempo de serviço dos professores, o Presidente recebeu, em audiência, o primeiro-ministro - que irá, de seguida, dirigir-se aos portugueses.

Já terminou a reunião entre António costa e Marcelo Rebelo de Sousa, em Belém, na sequência da crise causada com a aprovação pelo Parlamento da contabilização total do tempo de serviço dos professores. O primeiro-ministro irá fazer uma declaração ao país, após o encontro, a partir da sua residência oficial.

A reunião habitual entre o Presidente da República e o primeiro-ministro, que costuma acontecer à quinta-feira, irá decorrer esta sexta-feira, com a chegada de Marcelo Rebelo de Sousa a Portugal, após a visita oficial à República Popular da China.

Em cima da mesa deverá estar o tema da votação no Parlamento da recuperação integral do tempo de serviço congelado aos professores , que está a criar tensão entre o Governo de António Costa e a Assembleia da República.

A alteração ao decreto do Governo sobre a contagem do tempo de serviço dos professores contou com os votos contra do PS, mas teve o apoio de todas as outras forças políticas, estipulando que o tempo de serviço a recuperar são os nove anos, quatro meses e dois dias reivindicados pelos sindicatos docentes.

Antes de se dirigir a Belém para o encontro com Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa está no Palácio de São Bento, onde conduz uma reunião de emergência com os membros da coordenação política do Executivo.

Recorde-se que, se o diploma for aprovado em plenário, terá ainda de ser promulgado pelo Presidente da República para poder entrar em vigor.

Em entrevista à TSF, o número dois do Executivo, o ministro Augusto Santos Silva, já sublinhou que o decreto terá também de passar pelo crivo de Marcelo Rebelo de Sousa.

O ministro classificou ainda a votação no Parlamento como "um espetáculo de absoluta irresponsabilidade orçamental" e uma "finta" à lei-travão, admitindo um pedido de recurso da decisão na Justiça.

Se a contagem integral do tempo de carreira dos professores seguir em frente, pode mesmo estar em causa um cenário de eventual demissão do Governo, como admitiu o presidente do PS, Carlos César, em declarações ao jornal Público , esta quinta-feira.

"É legítimo pensar-se que o PS não pode assumir responsabilidades de Governo quando entende que as políticas a que fica obrigado tornam essa gestão insustentável", declarou Carlos César.

LER MAIS:

- Aprovada contagem integral do tempo de serviço dos professores mas sem calendário

- "Não há legitimidade política." Santos Silva condena votação que pode abrir crise no Governo

- Abriu-se a "caixa de Pandora". Já há mais profissões a exigir a devolução do tempo de serviço

- CGTP e UGT querem tratamento igual ao dos professores para toda a função pública

- Crise política? Qual crise política? PCP e Bloco acusam o PS de eleitoralismo

- Governo "encenou um golpe." CDS desafia Executivo a apresentar uma moção de confiança

[Notícia atualizada às 15h29]

Continuar a ler

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de