Duas pontes, duas populações desesperadas. PCP pede mais investimento público

Em Constância e na Chamusca, as pontes que atravessam o Rio Tejo acusam a falta de investimento ao longo de anos. Líder parlamentar do PCP pede investimento para modernizar as infraestruturas.

É uma situação que se arrasta há vários anos. Em Constância, na Ponte da Praia do Ribatejo - que liga Constância a Vila Nova da Barquinha -, a circulação rodoviária, numa estrada com grande afluência de veículos pesados, só se faz de forma alternada e regulada por semáforos, o que dificulta a travessia da ponte e obriga, não raras vezes, a uma espera que pode levar ao desespero.

Mas, se a espera por parte de quem quer chegar a casa ou ao local de trabalho já se torna num transtorno, também os serviços sofrem com as dificuldades da passagem para a outra margem. "Grande parte dos meios de combate estão na parte norte [do Rio Tejo] e chegamos à ponte e está completamente congestionada. Os meios não conseguem passar", conta aos deputados do PCP Adelino Gomes, comandante dos Bombeiros Voluntários de Constância".

Em 2011, a travessia, já centenária, chegou a estar encerrada por falta de segurança. Agora, sete anos depois, continua a criar dificuldades. "É uma situação muito complicada para o concelho de Constância e, em particular para toda esta zona sul, que tem milhares de hectares, e a única corporação de bombeiros que tem é da Chamusca", prossegue o comandante.

Outro dos exemplos é dado por Rui Ferreira, que revela os problemas de alguns dos empresários da região: "Por vezes não os querem fornecer, porque é mais uma hora e meia que um camião pode chegar à empresa". António Filipe, deputado do PCP, defende que é ao Estado central que cabe avançar com o investimento. "A exigência que tem a manutenção, a reparação ou a construção [de uma nova ponte] não é algo que está ao alcance de concelhos como Constância ou Vila Nova da Barquinha".

Mas, esta não é uma situação única na travessia sobre o Rio Tejo na região do Ribatejo, também as condições da Ponte Dr. João Joaquim Isidro dos Reis - conhecida por Ponte da Chamusca - entre a Chamusca e a Golegã, que não permite a circulação em duas vias, teimam em dificultar a vida à população.

"Enquanto aqui estamos, já vimos cinco camiões em fila à espera de um outro, porque não se podem cruzar", nota o líder parlamentar do João Oliveira, que, em conversa com Sérgio Carrinho, antigo autarca da Chamusca, vê reforçada a observação: "É um tráfego extremamente elevado para a capacidade da ponte e provoca dificuldades".

São as dificuldades relatadas pelos habitantes e antigos responsáveis que levam o líder da bancada parlamentar comunista a exigir ao Governo mais investimento público.

"Por um lado, a importância do investimento público na modernização dos equipamentos e infraestruturas, para garantir condições de desenvolvimento do país, condições de serviço às população e de desenvolvimento regional territorial. Por outro lado, a importância de que que seja feito de forma programada", afirmou João Oliveira, nas jornadas parlamentares em que o PCP garantiu que não irá baixar os braços na tentativa de impedir a marcha-atrás do Governo, quando o tema é o investimento no interior do país.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de