PSD

Fernando Negrão discorda de Castro Almeida. "O PSD é um partido popular"

Líder da bancada parlamentar do PSD defende o partido das críticas de Castro Almeida, que receia um "suicídio coletivo" do partido.

Fernando Negrão defende que o PSD não corre risco de "qualquer rutura" e garante que não concorda com o alerta de Castro Almeida de que o partido possa avançar para um "suicídio colectivo".

Questionado ao início da tarde pelos jornalistas no final do debate do Orçamento do Estado para 2019, o líder da bancada parlamentar social-democrata afirmou que ainda não leu a entrevista, mas discorda da leitura feita pelo vice-presidente do partido.

"Discordo desse diagnóstico, o PSD é um partido popular. Eu diria que só há dois partidos populares em Portugal, o PSD e o PCP, e é preciso olhar para o PSD e ver o que o PSD faz quando quer juntar pessoas e as pessoas aderem às iniciativas do PSD. As pessoas sabem o que é o PSD, o PSD é um partido popular que vai continuar a sua vida, não há nenhum risco de rutura nem de colapso do PSD", assegurou o social-democrata.

A resposta de Fernando Negrão surge no seguimento das palavras de Manuel Castro Almeida, vice-presidente do PSD, que reconhece que o "ruído" dentro do partido está a impedir que o presidente Rui Rio passe para a opinião pública as propostas de oposição ao Governo, receando o "suicídio coletivo" .

"Há um acentuar de críticas e de formulações alternativas. Basta ver o que se passou com este OE2019 [Orçamento do Estado]. (...) É bem certo que não há uma perceção pública das propostas do PSD. Em boa medida, porque há um problema que ainda não resolvemos, que é de ruído interno, que dificulta que as nossas propostas passem. Quando se fala de questões internas, não se fala de oposição", disse Castro Almeida, em entrevista ao Público e à Rádio Renascença.

"É verdade que hoje há um clima de divisão, confrontação, de hostilidade no interior do partido que é excessivo, não é normal", afirmou, destacando que este clima está a "prejudicar a afirmação do partido e não deixa o partido afirmar as suas mensagens", reforçou ainda o social-democrata Castro Almeida.


  COMENTÁRIOS