CGTP rejeita que resolver problemas dos trabalhadores ponha em causa a economia

Arménio Carlos avisa: "Não vale a pena tentar ludibriar, confundir, manipular ou desviar atenções."

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse esta sexta-feira que não se pode considerar que resolver os problemas dos trabalhadores da administração públicas põe em causa a sustentabilidade económica do país.

"Não se pode estar a dizer que a resposta aos problemas dos trabalhadores põe em causa a sustentabilidade económica do país quando todos sabemos que foram os trabalhadores e a população portuguesa que pagaram a fatura das irresponsabilidades da banca privada", considerou Arménio Carlos, falando aos jornalistas em Ponta Delgada.

O sindicalista assistiu na maior cidade açoriana, ao lado do líder da Fenprof, Mário Nogueira, à comunicação ao país do primeiro-ministro sobre o tempo de serviço dos professores e a posição do executivo sobre essa matéria e a sua eventual viabilização final global no parlamento.

"Não vale a pena tentar ludibriar, confundir, manipular ou desviar atenções. Sejamos sérios e rigorosos: o Governo se quiser reduzir a despesa pública pode fazê-lo", até porque, só este ano, o Orçamento do Estado "consagra 850 milhões de euros para o Fundo de Resolução nacional e 850 milhões de euros para o Fundo de Resolução Europeu", por exemplo, declarou Arménio Carlos.

E prosseguiu: "Com 1,7 milhões de euros o que poderíamos fazer neste país em termos de melhoria dos serviços públicos, resposta aos problemas na saúde, educação, segurança social, pensões, e já agora também nos salários da administração pública?"

O primeiro-ministro afirmou hoje que comunicou ao Presidente da República que o Governo se demite caso a contabilização total do tempo de serviço dos professores seja aprovada em votação final global.

"Ao Governo cumpre garantir a confiança dos portugueses nos compromissos que assumimos e a credibilidade externa do país. Nestas condições, entendi ser meu dever de lealdade institucional informar o Presidente da República [Marcelo Rebelo de Sousa] e o presidente da Assembleia da República [Ferro Rodrigues] que, a aprovação em votação final global desta iniciativa parlamentar forçará o Governo a apresentar a sua demissão", declarou.

Esta advertência foi feita por António Costa numa declaração ao país, depois de ter estado reunido cerca de 40 minutos com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na sequência da crise política aberta com a aprovação pelo parlamento, apenas com os votos contra do PS, da recuperação do tempo total de serviço dos professores no período em que houve congelamento de progressões.

LER MAIS:

- PCP mantém sentido de voto, "coerência" e não cede a "chantagens"

- António Costa apresenta demissão se diploma for aprovado no Parlamento

- Jerónimo acusa Governo de "pressão inaceitável" e "cálculo eleitoralista"

- Bola está com a Assembleia da República. UGT reforça que professores "têm razão"

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de