Difícil viver no Porto? Rui Moreira diz que não foi ele que expulsou as pessoas

Rui Moreira admite que já não é possível viver no centro do Porto pelos preços de há quatro anos. A resposta, diz, passa por PPP, habitação municipal e recurso a instrumentos fiscais.

Rui Moreira assume que o Porto tem hoje problemas que não tinha antes de ele ser presidente da autarquia: "Há mais trânsito que há quatro anos, porque se a cidade tem mais atividade, a cidade tem que ter mais trânsito".

Mais atividade significa mais turismo. "Acham que a cidade só com aqueles que cá vivem hoje poderia reabilitar ou resolver os problemas de Campanhã, apenas para dar um exemplo?", questiona.

Para o candidato, mais turismo leva a mais reabilitação e isso significa também rendas mais inacessíveis no centro da cidade. "Há muitas pessoas que saíram do Porto que agora querem voltar a viver no centro. Eu acho muita piada. Eu percebo, mas essas pessoas foram expulsas pelo Rui Moreira? Pelo turista? Por um hotel? Pela gentrificação? Não. Essas pessoas saíram porque a cidade não era nem confortável nem interessante", sublinha.

Agora, diz Rui Moreira, não é possível voltar com as mesmas rendas: "Temos uma enorme falha de mercado para a geração dos meus filhos, que vai procurar uma casa e não encontra. Nós sabemos como vamos fazer: pela política. Claro que vamos fazer parcerias público-privadas, claro que vamos construir habitação municipal, mas também vamos aumentar os índices de construção em alguns locais onde há bons transportes públicos e claro que vamos usar os instrumentos fiscais para que o mercado nos ajude".

O candidato sublinha que não podem existir rendas impostas e acredita que a resposta ao problema tem que vir por outros meios.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de