Presidenciais 2016

Henrique Neto recolhe mais de 7900 assinaturas

Henrique Neto formalizou a candidatura à Presidência da República.

O candidato presidencial entregou, no Tribunal Constitucional, um número de assinaturas superior às 7500 exigidas por lei. "Uma vitória difícil", sublinha Henrique Neto, que deixa críticas à "hipocrisia" das candidaturas "independentes", e em particular a Marcelo Rebelo de Sousa.

Acompanhado por vários apoiantes - entre os quais, Ribeiro e Castro, antigo deputado e ex-líder do CDS-PP - e visivelmente satisfeito pelas mais de 7950 assinaturas entregues no Tribunal Constitucional, Henrique Neto considera que, pouco mais de um mês antes de ir a votos, a primeira vitória já foi conseguida.

"É difícil porque é muito trabalho, muitas pessoas que se sacrificaram, às vezes à chuva e ao sol. Até fico admirado com outros candidatos que, não sei como, conseguiram as assinaturas. Com exceção do Paulo Morais, que esteve na rua, os outros não sei onde conseguiram as assinaturas", disse o candidato a Belém.

O antigo deputado do PS entende que os candidatos têm estado mais perto dos partidos do que da população, mesmo os que apresentam as candidaturas independentes das estruturas partidárias: "Há até um candidato que disse ter conseguido as candidaturas de forma inorgânica. Suponho, e gostaria de ver isto desmentido, que foram os partidos que recolheram as assinaturas. Estou a falar de todos. Inorgânica é o professor Rebelo de Sousa".

E, um dia depois de PSD e CDS-PP terem recomendado aos eleitores o voto em Marcelo Rebelo de Sousa, Henrique Neto não poupa nas críticas: "É, no fundo, fugir à verdade, fugir à realidade, é hipocrisia. Mas isso não se passa só com o professor Marcelo. Todos os dias ouvimos candidatos que dizem ser independentes. Agora está na moda ser independente".

Sobre as sondagens, que vão dando larga vantagem ao antigo líder do PSD, Henrique Neto garante que não o desmotivam. O ex-deputado do PSD diz ainda que quer encontrar Marcelo Rebelo de Sousa em debate, num frente a frente que antevê "o mais desafiante".