Combate ao plástico

Juventude Popular põe fim à utilização de plástico em todas as atividades do país

A juventude centrista pretende reduzir a pegada ecológica e ser um exemplo na necessidade de comportamentos sustentáveis.

A Juventude Popular (JP) pôs fim à utilização de plástico e objetos derivados em eventos próprios, no âmbito da proposta "Por uma Juventude Popular sem plásticos".

A proposta agora aprovada por unanimidade no Conselho Nacional foi formulada pela Concelhia de Cascais - conjuntamente com o "Movimento Claro" - e acolhida pela Comissão Política Nacional.

De acordo com a nota a que a TSF teve acesso, a JP pretende "colmatar a verificável dependência em relação a produtos de plástico, que resulta num autêntico envenenamento do meio ambiente", o que levou à "abolição da utilização de plásticos nas atividades, sejam elas de cariz concelhio, distrital ou nacional".

Francisco Rodrigues dos Santos, presidente da Juventude Popular, explica que "os jovens são responsáveis pela adoção de comportamentos sustentáveis definidores de hábitos futuros amigos do ambiente, dado que se encontram em posição de peso para realizar mudanças a nível global", garantindo que a "a Juventude Popular dá o exemplo, em linha com as preocupações da Comissão Europeia, e tendo em consideração o efeito de descarte de plástico pouco consciente no meio ambiente, e que no nosso continente representa cerca de 85% do lixo encontrado em todas as praias".

Deste modo, a JP irá reduzir a sua "pegada ecológica através da eliminação dos plásticos descartáveis com caráter obrigatório em todas as atividades, substituindo o seu uso pela utilização de materiais reutilizáveis e menos poluentes". A partir de agora, as concelhias e distritais têm seis meses para erradicar o plástico das iniciativas.

  COMENTÁRIOS