sanções

Primeiro encontro em Berlim, primeiro apelo de Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República está em visita oficial a Berlim, onde deu uma conferência de imprensa conjunta com o chefe de Estado alemão, Joachim Gauck.

O tempo com o Presidente da República Federal da Alemanha foi curto mas Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou-o para sublinhar os sacrifícios que os portugueses têm atravessado nos últimos anos. Joachim Gauck elogiou a coragem política para implementar os programas de austeridade.

O objetivo é sensibilizar a Alemanha para os esforços que os portugueses têm feito, principalmente nos últimos quatro anos, e assim poder evitar uma punição por défice excessivo. O ministro das Finanças alemão já defendeu sanções para Portugal e Espanha mas Marcelo Rebelo de Sousa considera que isso seria injusto. O Presidente da República tem esta segunda-feira um conjunto de três encontros para sensibilizar Berlim disso mesmo.

No Palácio Bellevue, o chefe de Estado foi recebido por uma parada militar, vários alunos da escola luso-alemã com bandeiras dos dois países, e com quase trinta graus. Pouco tempo depois de chegar, às 11h30 locais (menos uma hora em Portugal), já estava a dar início uma conferência de imprensa.

De Presidente para Presidente, Joachim Gauck reconheceu os sacrifícios que têm sido feitos, mas na altura de tomar uma posição sobre se Portugal deve ou não ser punido, a resposta é um suspiro. A tradução, explica depois, é que não quer dar conselhos às instituições europeias nem ultrapassar os poderes que lhe foram atribuídos. Apesar disso, reconhece todo o trabalho que tem sido feito e elogiou a coragem politica para implementar os programas de austeridade. Acredita que o orçamento aprovado é "uma oferta de estabilidade".

Questionado sobre o Brexit, marcado para junho, Marcelo Rebelo de Sousa sublinha a importância do Reino Unido permanecer na União Europeia e acrescenta que esta é, obviamente, uma decisão soberana do povo britânico.