PSD diz que investimento abaixo do esperado é "opção política" do Governo

Deputado Duarte Pacheco explica que até aqui, o Governo conseguiu disfarçar os números porque as pessoas estavam "apaixonadas" pela solução política.

O PSD não ficou surpreendido com os números revelados esta quarta-feira pela Unidade Técnica de Apoio Orçamental, que mostram que o investimento ficou mais de mil milhões de euros abaixo do que estava previsto no Orçamento do Estado para 2018.

Em declarações à TSF, o deputado social-democrata Duarte Pacheco lembra que já em anos anteriores se verificou a mesma situação e acusa PCP e Bloco de Esquerda de ficarem calados perante uma situação que é originada por opção política do Governo.

"Neste caso, já não estamos a fazer uma crítica de oposição, na lógica de: é preciso fazer isto ou é preciso fazer aquilo e o Governo a responder que não é a prioridade ou que nem sequer tem dinheiro para isso. Não, é o Governo a inscrever uma verba para investimentos que depois não os concretiza. Não porque não sejam necessários nem porque no país não exista capacidade produtiva para os executar, sim por opção política. É o que é. Os partidos que suportam o Governo, criticavam o Governo anterior por as taxas de investimento serem reduzidas mas agora calam-se perante aquilo que acontece. Que é, efetivamente, nem sequer fazer o investimento que o próprio Governo reconhece como necessário", atirou o deputado.

Em relação ao passado, Duarte Pacheco defende que esta falha no investimento não era notada pelas pessoas porque estavam "apaixonadas" pela solução política. No entanto, agora "só não vê quem não quer."

"Durante uns anos, isto passou despercebido às pessoas. Tal como na nossa casa, se nós temos lá uma pequena fissura, pomos um pouco de gesso, damos uma demão de tinta e aquilo disfarça. Disfarça um ano, disfarça dois, mas ao fim de três ou de quatro, aquilo que era uma pequena fissura é uma racha que põe em perigo o próprio edifício. Foi aquilo que este Governo fez ao longo destes quatro anos. Nunca fez o investimento, que queria - repito, o que está em 2018 foi o mesmo de 2017, foi o mesmo de 2016 - só que naquela fase em que as pessoas estavam apaixonadas pela solução nem sequer reparavam nisto. Agora, a realidade está à frente dos olhos dos portugueses e só não vê quem não quer", garante Duarte Pacheco.

O investimento cresceu 4,7% em 2018, excluído da despesa com concessões, "substancialmente abaixo da taxa de variação permitida pelo OE2018", de 48,3%, o que corresponde a um desvio de 1.180 milhões de euros, segundo a UTAO.

Leia mais:

- Investimento ficou 1.180 milhões de euros abaixo do previsto no OE2018

Continuar a ler

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de