Caso Skripal

Embaixador de Portugal regressa a Moscovo

O Governo português decidiu que o embaixador na Rússia, chamado a Lisboa para consultas na sequência do caso Skripal, vai regressar a Moscovo em breve.

Com uma posição idêntica à de Bruxelas, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva anunciou que o embaixador de Portugal também está prestes a regressar à Rússia muito em breve.

"A decisão política está tomada. E, julgo que o primeiro voo disponível será amanha à noite, mas isso uma questão meramente prática, não é o ministro que trata, são os serviços", anunciou o ministro, considerando que há condições para o regresso do nosso embaixador a Moscovo e isso far-se-á tão cedo quanto possível, agora é uma questão meramente prática".

"Tendo já regressado a Moscovo o embaixador da União Europeia e indo nós próprios discutir, hoje, o nosso relacionamento com a Rússia, do ponto de vista do governo português estão criadas as condições para que regresse a Moscovo, o nosso embaixador na Rússia", disse.

Augusto Santos Silva disse também que, na reunião desta tarde, "não está prevista qualquer alteração nas linhas de orientação [e] não está prevista nenhuma mudança, na lógica de relacionamento com a Rússia, que se caracteriza desta forma: capacidade nos defendermos, perante qualquer medidas hostis e, ao mesmo tempo, um envolvimento seletivo, um diálogo político e um envolvimento em áreas que são de interesse comum, designadamente, o combate ao terrorismo".

Na sequência do envenenamento de um antigo espião russo em solo britânico mais de duas dezenas de países, entre os quais 20 países da UE, anunciaram medidas diplomáticas drásticas contra Moscovo. Portugal adoptou uma posição mais moderada, convocando o embaixador português para consultas. O ministros diz que estão agora reunidas as condições para o regresso a Moscovo.

  COMENTÁRIOS