País "arrancou tarde" na resposta aos problemas da saúde mental

Durante a visita ao Centro Hospitalar Conde Ferreira, da Misericórdia do Porto, o Presidente da República quis "chamar a atenção dos portugueses para uma questão que bate à porta de tantas famílias".

O Presidente da República considera que o país "arrancou tarde" na criação de uma política de saúde mental, com "uma resposta global" para um problema que "tem galopado em todas as sociedades".

A chamada de atenção de Marcelo foi feita durante uma visita ao Centro Hospitalar Conde Ferreira, da Misericórdia do Porto, onde visitou a horta terapêutica e o projeto de hipoterapia.

"É uma obra que tem muitas valências, entre elas a maior horta social biológica da Europa e a relação entre crianças e animais como forma terapêutica, altamente avançada e de efeitos espetaculares", sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa.

Durante a visita àquela que é considerada uma unidade de referência da Santa Casa da Misericórdia do Porto ao nível dos cuidados de saúde mental, o Presidente da República quis ainda "chamar a atenção dos portugueses para uma questão que bate à porta de tantas famílias, que algumas não assumem de frente, outras assumem mas com falta de meios, e em que se arrancou tarde na sociedade portuguesa para uma resposta global".

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que "há várias respostas muito boas, com profissionais ótimos, o problema é a cobertura total e a capacidade de resposta a um problema que tem galopado em todas as sociedades".

O Centro Hospitalar Conde Ferreira, criado há 135 anos, destaca-se na Psiquiatria mas também na inovação das respostas aos sem-abrigo, um dos temas que tem marcado o mandato de Marcelo Rebelo de Sousa.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados