Partidos reagem à nomeação da nova PGR. PSD em silêncio

Lucília Gago é a nova Procuradora-Geral da República.

Pelos vários espetros políticos já se fazem sentir as reações à nomeação de Lucília Gago para o cargo de Procuradora-Geral da República. PS, CDS, BE e PCP já se fizeram ouvir (ou ler) acerca desta nomeação.

PS realça a competência da nova PGR

Numa declaração enviada à agência Lusa, o líder parlamentar dos socialistas, Carlos César, sublinha a competência que é reconhecida a Lucília Gago. As qualidades reconhecidas à nova PGR levaram, na visão de Carlos César, a uma nomeação que prestigia o cargo, contribuindo também para a credibilidade e independência da Justiça.

CDS prevê trabalho de continuidade

À TSF, o deputado do CDS, Telmo Correia, classifica Lucília Gago como uma pessoa "relativamente discreta", algo que nem permite ter uma "opinião fundamentada em relação à personalidade em si".

Quanto à escolha, Telmo Correia considera que o caminho "está traçado" e deve representar alguma continuidade em relação ao trabalho de Joana Marques Vidal, agora ex-PGR.

BE preocupado com a independência do Ministério Público

Em entrevista à RTP3, Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda, não quis comentar diretamente a nomeação de Lucília Gago, porque não cabe ao partido "debater nomes".

A líder bloquista preferiu realçar as preocupações do partido em relação ao "trabalho do Ministério Público".

PCP fala em constrangimentos na investigação e apuramento de responsabilidades

Em comunicado, o Partido Comunista espera que a nova PGR garanta a autonomia da magistratura do Ministério Público, superando os constrangimentos reconhecidos na investigação e apuramento de responsabilidades em matéria de criminalidade económica e financeira e na carência de meios materiais e humanos.

O PSD ainda não se pronunciou acerca desta nomeação.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados