Portuguesa é líder do maior partido juvenil da UE. "Estarei a favor do spitezencandidat"

A TSF entrevistou, por estes dias, em Bruxelas, a nova presidente da maior estrutura partidária juvenil da União Europeia.

A nova presidente da maior estrutura partidária juvenil da União Europeia uma portuguesa de Coimbra. Lídia Pereira foi eleita para a liderança da Juventude do Partido Popular Europeu (YEPP, sigla inglesa) no último congresso, realizado na Grécia, no início de novembro. Quando conversou em Bruxelas, com o correspondente da TSF, tinha acabado de chegar de Helsínquia, onde o Partido Popular Europeu nomeou o cabeça de lista às eleições europeias.

Na entrevista, Lídia Pereira defende que o cabeça de lista nas eleições europeias, deve ser o presidente da Comissão. Fala da crise como um processo quase ultrapassado e defende a redução de impostos "para empresas que contratem jovens". Sobre os seus objetivos, a portuguesa de 27 anos admite "evidentemente que sim", gostaria de ir mais longe.

Todo este percurso não foi projetado para isso, mas evidentemente que sim. Estou na política e gostaria imenso de ter um papel político ainda mais relevante do que aquele que já tenho. Já é uma excelente plataforma para dar voz aos jovens europeus.

Isso pode acontecer já num futuro próximo? Por exemplo nas eleições europeias?

Isso não sei. Darei o meu contributo ao nível da campanha europeia. O Youth EPP estará ao lado do candidato a presidente da Comissão Europeia, que foi eleito no congresso em Helsínquia, na semana passada [agora, há duas semanas]. O resto dependerá também do partido e da JSD. Dependerá da decisão de cada um dos dois.

É licenciada em Economia pela Universidade de Coimbra e Mestre em Economia Europeia pelo Colégio da Europa de Bruges. Como é que uma economista olha para as dificuldades recentes da Europa, nomeadamente pelas dificuldades que tem tido para descolar da crise, e pelos níveis de emprego que continua a haver, especialmente entre os mais novos?

Acho que a Europa já deu a volta - [talvez] meia volta. Ainda falta dar a outra volta, para realmente entramos numa trajetória de crescimento. Já há bons indicadores. Portugal foi efetivamente um dos países mais afetados. [Uma vez que] estivemos sobre o programa de assistência financeira e o desemprego é, sem dúvida, ainda uma grande preocupação, especialmente nos países do sul. Têm sido dados passos, mas falta uma grande aposta, diria até, a nível europeu.

Por exemplo?

Providenciar benefícios fiscais às nossas PME, na contratação de jovens e estimular a contratação de jovens talentos, acabados de sair das universidades, que têm dificuldades, nomeadamente em Portugal, Espanha e Itália, que têm uma grande taxa de desemprego. Podia ser um contributo importante, a nível europeu, com impacto importante nestes países que são os mais afetados, na questão do desemprego.

Nos últimos anos, Bruxelas tem-se afirmado como defensora do rigor orçamental, mas isso tem também sido o motivo de muita da crítica que é aponta à União Europeia, muitas vezes até por que usa um certo discurso para atacar o projeto europeu. Bruxelas precisaria de adaptar o discurso para se defender dos críticos?

Acho que estando nós numa União, assinámos alguns tratados, - ou contratos, como lhe quisermos chamar -, e portanto estamos sujeitos a direitos e a obrigações. E, uma das nossas obrigações é, realmente, cumprir aquilo que foi acordado. A Europa nunca tinha sofrido uma crise como esta. Acho que todos aprendemos. Seja de países do norte, do sul, do leste ou do oeste. Mas, acho que no futuro, já estão a ser discutidos mecanismos para fazer face a esta crise, que assolou a Europa e toda a zona euro. Toda a situação foi nova. A capacidade de resposta, se calhar, tardou. [Isso] muitas vezes é discutível. Mas, no que diz respeito à austeridade, os resultados estão à vista. No caso Português, o PSD ganhou as eleições, depois de um período dificílimo, foi dado um voto de confiança a Pedro Passos Coelho, para ter uma segunda oportunidade, e colocar o país a crescer. A austeridade sim, em determinados momentos, é criticável, mas os resultados estão agora à vista. Por isso, acho que o governo do Partido Socialista está a tirar vantagem desse acordo ou dessas imposições que nos foram feitas em 2011.

Quando o governo português diz que as contas de Bruxelas "estão erradas como sempre estiveram", isso não é assim?

Acho que, se calhar, não será bem assim. Caberá ao senhor ministro das finanças responder e fazer outra vez as contas. Mas, acho que a discussão política será sempre diferente de uma questão mais técnica. Talvez a posição da Comissão tenha sido técnica e o PS tenta tirar vantagem da discussão política, na matéria.

Olhando para um tema de absoluta urgência na atualidade: obrexit. Já refletiu sobre isto? Como é que foi possível chegar-se aqui?

A questão do Reino Unido é uma questão particular. Porque se são o que sempre se disse, sempre quiseram uma União Europeia "à la carte". E, no caso britânico, vejo com alguma surpresa, que tendo um primeiro-ministro, David Cameron que nunca foi muito favorável à União Europeia e de repente faz campanha pelo "remain" (para ficar na UE), também torna difícil depois convencer o eleitorado que a melhor opção é permanecer na UE.

Enquanto líder de uma juventude partidária considera que projeto europeu continua a ser resposta aos desafios dos jovens?

Acho que os resultados estão à vista. A Europa, durante anos, andou em guerras e em batalhas. A Europa é o melhor projeto de paz, que temos em 70 anos de existência. Não podemos subestimar a possibilidade de uma eventual guerra no futuro, por que não sabemos o que pode acontecer daqui a 20, 30, 50 ou 100 anos. Mas, tendo o projeto de país na base do sucesso da UE. Temos de defender o sucesso a UE e o modo de vida europeu, que o mundo inteiro valoriza.

O receio da guerra ainda é uma mensagem eficaz entre os jovens?

Esta geração dos "millennials" está tão distante. Não conseguimos sentir a dificuldade e o terror, para jovens da nossa idade e até mais novos, 16 ou 18 anos, que morreram nas trincheiras da Primeira Guerra mundial. Nós não sentimos isso. Está tão distante. Não é eficaz. Mas deve ser relembrado.

O que espera das próximas eleições, nomeadamente em relação ao spitezencandidat. Pensa que o modelo deve ser mantido e nomeado um dos nomes que são cabeças de lista, ou deve haver outra solução?

Enquanto presidente do YEPP, apoio o modelo do spitezencandidat. A prova disso foi a eleição de há quatro anos, coma eleição de Juncker. Foi um processo bem sucedido. Se haverá margem para outra solução, acho que sim depois de vermos os resultados das eleições em maio do próximo ano. Mas estarei sempre a favor e apoiaria solução do spitezencandidat.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de