PS aprova moção de rejeição ao governo PSD/CDS-PP

A Comissão Política socialista aprovou um documento em que dá indicação ao grupo parlamentar do PS para apresentar uma moção de rejeição ao programa de governo da coligação. Socialistas mandatam António Costa para "concluir acordo" à esquerda e alargar conversas ao PAN. Acordo de incidência parlamentar bem encaminhado.

A proposta, apresentada pelo secretário-geral socialista, foi aprovada já ao início da madrugada, e apenas com duas abstenções - uma das quais do antigo membro do secretariado nacional, António Galamba -, e segue-se aos anúncios já feitos por Bloco de Esquerda e PCP, que também tinham garantido que iriam avançar com uma moção de rejeição a um programa de governo apresentado pela coligação PSD/CDS-PP.

De acordo com o comunicado final da Comissão Política socialista, a direção alargada do partido dá ao grupo parlamentar do PS "indicação para apresentar uma moção de rejeição de qualquer programa de governo que se proponha manter no essencial as políticas da anterior legislatura, rejeitadas por larga maioria dos portugueses nas últimas eleições".

Jornalista João Alexandre da TSF

00:0000:00

Os socialistas justificam a decisão com o facto de "a direita coligada" não reconhecer "a necessidade de virar a página da austeridade e interromper a estratégia de empobrecimento", salientando que o PS está em condições de "oferecer ao país uma alternativa de governo consistente, estável e duradoura".

À saída da Comissão Política, Álvaro Beleza, um dos mais críticos, disse não estar de acordo com a indicação que foi dado ao grupo parlamentar do PS, para apresentar uma "moção de rejeição" ao programa de governo apresentado no parlamento pela coligação PSD/CDS-PP: "Não me parece que seja este o caminho correto".

O ex-membro do secretariado nacional da direção de António José Seguro diz, no entanto, que não é hora de criar obstáculos e fraturas dentro do partido: "Chegando aqui, não vai ser por minha causa que o PS não vai ter unidade. É mais importante o Partido Socialista ao serviço do país e os portugueses do que as nossas próprias opiniões ou ambições".

Costa mandatado para concluir negociações à esquerda e incluir PAN

A Comissão política mandatou ainda o secretário-geral, António Costa, para "prosseguir as negociações" à esquerda e "concluir um acordo com o BE, o PCP e o PEV, e para aprofundar os contatos com o PAN", pode ler-se no comunicado final do encontro.

No mesmo documento fica ainda definido que, depois de formalizado, o acordo deve ser "oportunamente presente à Comissão Política".

De acordo com fontes socialistas contatadas pela TSF, durante a reunião da direção alargada do PS, António Costa voltou a falar de um entendimento, ainda por fechar, em relação a um "acordo de incidência parlamentar" com PCP, Bloco de Esquerda e Partido Ecologista "Os Verdes" - tal como já tinha adiantado durante o encontro do grupo parlamentar do PS -, não afastando, no entanto, a hipótese de vir a liderar um executivo que inclua dirigentes destes partidos.

"Não ficou claro, mas não se fechou a porta ao PCP e ao BE no governo" disse à TSF um dos dirigentes que marcou presença na reunião da Comissão Política.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de