PS garante que rejeição ao governo só avança com acordo à esquerda

Carlos César, líder parlamentar do PS, diz que acordo terá de ser "aclarado" antes da discussão do programa de governo. Socialistas e comunistas não adiantam detalhes sobre avanços das negociações. Coligação PSD/CDS-PP acusa esquerda de bloquear parlamento.

Carlos César, PS

00:0000:00

"Quando houver esse acordo, ele deverá ser comunicado e é importante que esse acordo seja aclarado, evidentemente, antes da discussão do programa do governo", disse Carlos César aos jornalistas no final do encontro com o ministro dos Assuntos Parlamentares.

Sem revelar pormenores sobre as negociações, o líder da bancada socialista sublinha que o PS só irá chumbar o programa de governo [discutido nos próximos dias 9 e 10] se chegar a acordo com PCP, BE e PEV para uma "alternativa responsável, estável e com sentido duradouro".

"Se esse acordo for conseguido, e presume-se que tem uma alta probabilidade de o ser, votaremos a nossa própria moção de rejeição. Se assim não for, vale o que dissemos na noite eleitoral: não deixaremos o país sem governo", acrescentou.

Questionado pelos jornalistas, sobre as noticias que dão conta de uma corrente de oposição interna no PS, que rejeita o acordo à esquerda e que é liderada pelo eurodeputado e ex-líder parlamentar Francisco Assis, Carlos César desvaloriza: "Se estivéssemos a consumar um acordo com o PSD e o CDS-PP, certamente que teríamos um conjunto de camaradas reunidos contra um acordo dessa natureza".

PCP reitera intenção de rejeitar programa de governo

João Oliveira, PCP

00:0000:00

Já o PCP, pela voz do líder parlamentar, saiu da reunião com o ministro Carlos Costa Neves sem comentar os avanços das negociações com PS e BE, reiterando, no entanto, que os comunistas "tudo farão" para fazer cair o governo.

João Oliveira reafirma que o PCP vai avançar com uma moção de rejeição, mas não adianta se o documento será, ou não, em conjunto com PS e BE: "Da nossa parte, pretendemos contribuir para a rejeição deste governo, apresentando uma moção de rejeição. Tudo o resto resultará eventualmente de contactos".

Luís Montenegro, PSD

00:0000:00

Coligação acusa esquerda de "bloquear parlamento"

Depois de, na semana passada, em conferência de líderes, terem acusado a esquerda parlamentar de bloquear dos trabalhos dos deputados, PSD e CDS-PP sublinharam essa ideia perante o ministro dos Assuntos Parlamentares.

"O parlamento está na plenitude das suas funções e portanto deve trabalhar com toda a normalidade. Amanhã teremos uma conferência de líderes onde vamos reiterar essa posição", disse Luís Montenegro.

Nuno Magalhães, CDS

00:0000:00

O lider da bancada social-democrata acusa ainda os grupos parlamentares à esquerda de não estarem disponíveis para discutir as próprias iniciativas legislativas, recusando a ideia de "teatro" ou "encenação" por parte da coligação PSD/CDS-PP.

"O parlamento não pode nem deve funcionar nem com prometidos chumbos nem com prometidas aprovações", concluiu.

Já o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, defendeu que não devem ser queimados "passos democráticos", afirmando que o atraso nos trabalhos parlamentares é "inexplicável" e um "embaraço".

Nuno Magalhães salientou ainda que o encontro com Carlos Costa Neves serviu para manter "a boa tradição de coesão e de união entre a maioria".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de