PSD pede esclarecimentos ao ministro da Defesa sobre demissão do CEME

O PSD considera que as declarações públicas de Azeredo Lopes podem ter precipitado a demissão do chefe do Estado-Maior do Exército, Carlos Jerónimo.

O PSD vai requerer esclarecimentos do ministro da Defesa no parlamento sobre a demissão do chefe do Estado-Maior do Exército, Carlos Jerónimo, considerando que declarações públicas de Azeredo Lopes podem ter precipitado a decisão do general.

O coordenador dos deputados do PSD na comissão parlamentar de Defesa Nacional, Pedro Roque, disse que pretende esclarecer as circunstâncias que motivaram o pedido de demissão do general Carlos Jerónimo, afirmando que ele surgiu na sequência de "declarações públicas imprudentes" do ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, que "terão de alguma maneira precipitado" o pedido de demissão.

"Já observámos, pelas reações de vários quadrantes dentro do Exército que há uma forte insatisfação com este pedido de demissão", salientou o deputado Pedro Roque, em declarações à Agência Lusa, afirmando que está em causa "a coesão interna do ramo".

Numa reportagem publicada no dia 1 de abril pelo jornal 'online' Observador, o subdiretor do Colégio Militar, tenente-coronel António Grilo, afirmou: "Nas situações de afetos [homossexuais], obviamente não podemos fazer transferência de escola. Falamos com o encarregado de educação para que perceba que o filho acabou de perder espaço de convivência interna e a partir daí vai ter grandes dificuldades de relacionamento com os pares. Porque é o que se verifica. São excluídos".

Ouvido pelo DN, na sequência destas afirmações, o ministério da Defesa fez saber que pediu explicações ao Comando do Exército e assumiu que "considera absolutamente inaceitável qualquer situação de discriminação, seja por questões de orientação sexual ou quaisquer outras, conforme determinam a Constituição e a Lei" e questionou que medidas pretende adotar "para garantir o direito à não discriminação".

Para o deputado do PSD, estas afirmações do ministro da Defesa, citadas pelo DN, "podem estar na origem" do pedido de demissão que, realçou, "está a gerar uma manifestação clara de solidariedade" por parte de vários oficiais e um "clima de insatisfação interna" nas Forças Armadas.

O requerimento para ouvir o ministro da Defesa e o general Carlos Jerónimo, cuja posição o PSD quer também ouvir, será entregue na quarta-feira na reunião da comissão parlamentar de especialidade, adiantou.

Na mesma reunião vai ser votado um requerimento do Bloco de Esquerda para ouvir Carlos Jerónimo, cuja demissão o BE considera que "terá decorrido" das afirmações do subdiretor do Colégio Militar assumindo situações em os alunos homossexuais "são excluídos" entre pares.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de