PCP quer governos a detalhar mais sobre investimento público

Comunistas avançam com projeto de lei para eliminar "opacidade" e obrigar governos a apresentar mapas com informação pormenorizada sobre o investimento público em cada ano.

O PCP vai entregar em breve, na Assembleia da República, um projeto de lei para alterar a Lei de Enquadramento Orçamental, com o objetivo de obrigar cada um dos próximos governos a apresentar mapas orçamentais que discriminem as despesas e investimentos previstos ao longo dos anos.

À margem das jornadas parlamentares do PCP, que terminam esta terça-feira, em Santarém, Paulo Sá, deputado comunista, defendeu que, a ser aprovada, a medida vai permitir aos portugueses um melhor acompanhamento da execução dos orçamentos do Estado.

"Passarão a conter mapas com a discriminação exata, ano a ano, área a área, região a região, daquilo que é o investimento público previsto pelo Governo. Dessa forma, o país e o parlamento poderão acompanhar a execução do Orçamento do Estado e até garantir que o investimento possa crescer", disse o deputado.

Paulo Sá lembra que, com atual Lei de Enquadramento Orçamental, é difícil saber, com detalhe, qual o investimento previsto em cada ano, dificultando a tarefa de seguir os passos dados pelo Governo.

"Analisando os orçamentos do Estado na forma atual, a Assembleia da República e os deputados não sabem exatamente que investimento público em concreto vai ser feito", afirmou o deputado. "Não é conhecida informação sobre que hospitais vão avançar, que escolas vão ser construídas, que obras haverá na ferrovia ou na rodovia", acrescentou.

Nesse sentido, os comunistas defendem maior capacidade de fiscalização e o regresso de uma prática eliminada em 2011, com o fim do Programa de Investimento e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC). Paulo Sá, deputado do PCP, defende que só assim será possível ter mais "transparência" e levantar o "manto de opacidade" que existe sobre o investimento público.

"Estes mapas existiram nos orçamentos do Estado até 2011, com o PIDDAC. Desapareceram nesse ano e, com isso, caiu um manto de opacidade sobre o investimento público", sublinha.

O projeto de lei para alterar a Lei de Enquadramento Orçamental chega em breve ao Parlamento, mas, caso seja aprovada, já não terá efeito no Orçamento do Estado de 2019.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de