Morreu a atriz Maria João Abreu

Atriz tinha 57 anos e morreu vítima de um aneurisma cerebral.

PorCátia Carmo

 foto Gonçalo Villaverde / Global Imag

Rui Luis Bras e Maria João Abreu na novela Feitiço de Amor

Na rodagem do filme português "A Mãe é que sabe"|

 foto Diana Quintela/ Global Imagens

Na rodagem do filme portugês "A Mãe é que sabe"|

 foto Diana Quintela/ Global Imagens

No Teatro da Trindade

Na rodagem do filme português "A Mãe é que sabe"|

 foto Diana Quintela/ Global Imagens

A atriz num evento da marca Puma|

 foto Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens

A atriz Maria João Abreu morreu aos 57 anos, na sequência de um aneurisma cerebral, avança a SIC esta quinta-feira, estação de televisão onde a atriz trabalhava atualmente, na novela "A Serra". Estava hospitalizada no Hospital Garcia de Orta, em Almada, em coma induzido desde o dia 30 de abril, depois de ter sido submetida a intervenções cirúrgicas.

Nascida em Lisboa, a 14 de abril de 1964, Maria João Gonçalves Abreu Soares iniciou a carreira profissional no teatro, mas foi a televisão que lhe granjeou a popularidade, com a produções como "Médico de família".

No dia 30 de abril, a atriz sentiu-se indisposta durante as gravações da telenovela "A Serra" e desmaiou, tendo sido internada de urgência no Hospital Garcia de Orta, em Almada, com diagnóstico de rotura de aneurisma cerebral.

O músico João Soares, marido de Maria João Abreu, reagiu à morte através das redes sociais.

"A minha João partiu. Infelizmente, todo o meu amor por ela, todo o amor da família e todo o amor dos amigos não foi suficiente para impedir que esta viagem se iniciasse. Algo ou alguém lá em cima, com muita força... com muita, muita, muita mais força levou-a para junto de si", pode ler-se na publicação de João Soares.

"Representava para muitos portugueses a familiaridade"

Numa nota deixada no site da Presidência da República, também Marcelo Rebelo de Sousa recorda, emocionado, a atriz, de quem guarda o humor, emoção e empatia.

"Maria João Abreu, que nos deixou precocemente, escolheu essa abordagem, talvez por ser a abordagem que lhe era mais natural: a comédia, a projeção dos nossos afetos e dos nossos problemas, a proximidade humana. A sua carreira como atriz de revista e como produtora, ao lado de José Raposo, bem como outras participações teatrais (com Filipe La Féria, João Lourenço e José Fonseca e Costa), mas sobretudo o seu intenso currículo em televisão (novelas, séries, programas de entretenimento e de comédia) tornaram-na uma figura que representava para muitos portugueses a familiaridade de quem está connosco porque se parece connosco. À sua Família apresento, comovido, as minhas sentidas condolências", escreveu Marcelo Rebelo de Sousa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG