Casa Flutuante - O coração de Araci

Filme de José Nascimento estreia-se esta quinta-feira nos cinemas portugueses.

Da Amazónia a Mértola, há a partir desta quinta-feira uma Casa Flutuante na qual podemos navegar, levados pela corrente do cinema português. O filme realizado por José Nascimento estreia esta quinta-feira, e é dedicado à Floresta Amazónica, a todos os índios que lutam pela sua preservação e a todos os outros que com ela mantêm uma relação de amor.

É ali que bate o coração de ARACI...

"Quando a minha mãe tinha a tua idade, e vivia na tribo, chegaram os seringueiros, esses sanguessugas do rio. Eles continuam desmatando, destruindo a floresta." A voz da actriz Carolina Virguez flui, como as águas de um rio.

A actriz colombiana, naturalizada brasileira, é a voz e o rosto de Araci, que após a morte da filha, assassinada por fazendeiros numa aldeia da Amazónia, chega a Portugal com o marido português: "A Carolina foi um achado, uma ligação absoluta à personagem", revela José Nascimento, o realizador português que assina o argumento em coautoria com Ana Pissara.</p>

Ate Mértola, há todo um mundo que flutua o imaginário do realizador, antes de embarcar na Casa Flutuante, que esta quinta-feira estreia nos cinemas portugueses. A devastação da floresta, a memória da colonização, e o mundo interno de Araci "que não pode transportar a floresta, mas vai e vem, navegando na sua própria casa".

Da banda sonora assinada por Flak aos personagens que habitam a "Casa Flutuante", é uma longa viagem, percorrida aqui na entrevista de Teresa Dias Mendes, com sonoplastia de Margarida Adão, ao realizador José Nascimento e à actriz Carolina Virgüez.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de