Da rede de teatros ao novo estatuto profissional. A Cultura sobe ao palco no Conselho de Ministros

A ministra da Cultura detalha as propostas em cima da mesa para o setor artístico, que passam ainda pela aposta na transição digital e pelas obras de recuperação de museus e monumentos.

Está aberta a porta para uma nova rede de teatros e cineteatros. Depois de muitas queixas dos profissionais do setor, agravadas pela pandemia, a ministra da Cultura avança com um diploma que permite a candidatura de mais teatros à rede, que pretende envolver palcos em todo o país.

"A partir do mês de junho, a Direção-Geral das Artes inicia o processo de credenciação dos teatros e cineteatros que vão integrar esta primeira fase e, no último trimestre deste ano, inicia-se o concurso para o programa de apoio financeiro", adiantou a ministra Graça Fonseca, em declarações à TSF.

"O objetivo é apoiar financeiramente pelo menos um equipamento por cada uma das 25 comunidades intermunicipais. São apoios a quatro anos e serão abertos concursos de dois em dois anos para integrar mais teatros", explicou.

A ministra da Cultura afirmou que esta é uma "boa notícia" para o país, para a coesão territorial e para todos os profissionais do teatro em Portugal, lembrando que "muitas regiões que vão ter, pela primeira vez, ao abrigo deste programa de apoio, importantes apoios financeiros ao funcionamento dos teatros e cineteatros".

Também a transição digital da oferta cultural pública conta com apoio financeiro, no pacote de medidas que é levado, esta quinta-feira, a Conselho de Ministros.

Graça Fonseca garante que os espaços culturais poderão ser dotados de "equipamentos que apoiam a transição digital" e permitem "melhores condições aos profissionais em palco para gravação de tudo o que seja a cultura, património e arte em Portugal".

Há que referir ainda as obras de recuperação do património - tão reclamadas pelo Museu Nacional de Arte Antiga, o Museu Nacional do Azulejo e pelo Teatro Nacional D. Maria II, por exemplo -, que recebem agora luz verde para avançar, por parte do Conselho de Ministros.

"São aprovadas 46 intervenções em museus e monumentos e nos teatros nacionais", avançou a ministra. "São 150 milhões de euros", no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), para "investir e reabilitar museus e monumentos em todo o país", detalhou

Haverá ainda alterações ao regime do preço fixo do livro e também o estatuto profissional do trabalhador da cultura será um dos diplomas em cima da mesa, no Conselho de Ministros desta quinta-feira.

No total, o Plano de Recuperação e Resiliência destina 243 milhões de euros para o setor da cultura.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de